Dilma: Temos que ter a ousadia de defender eleições diretas

Compartilhar
 
Em evento das mulheres trabalhadoras na CUT, presidenta eleita afirmou que há um golpe dentro do golpe sendo arquitetado no Brasil

dilma-na-cut
 

Agradecendo a solidariedade das mulheres durante a luta contra o golpe, a presidenta eleita  Dilma Rousseff (PT) acredita ser preciso ter a ousadia de defender as eleições diretas mais uma vez no Brasil.

Durante evento em comemoração de 30 anos das políticas para as mulheres da Central Única dos Trabalhadores e Trabalhadoras (CUT),  Dilma lembrou que, a partir de janeiro de 2017, a Constituição prevê eleições indiretas caso Michel Temer (PMDB) saia do poder. Para ela, há golpe dentro do golpe sendo arquitetado.

A presidenta ainda avalia que o Brasil vive um estado de de exceção, onde há dois pesos e duas medidas. “Hoje temos um inimigo sendo construído, que são todos que querem se opor a esse governo, como os movimentos de ocupações nas escolas e universidades, mas não é inimigo os movimentos de extrema direita que invadiram o Congresso pedindo a volta da ditadura militar”, lembrou ela.

Para ela, o estado de exceção se manifestou na violenta repressão aos estudantes que protestavam em Brasília pela não aprovação da PEC 55.  “A PEC 241 (PEC 55 no Senado) compromete de um lado a democracia e de outro é o retorno da política neoliberal que nós enterramos nas urnas em 2003”, diz. “Porque quando congela o gasto por 20 anos, o que está fazendo é desqualificar o voto”.

Dilma afirmou que sua chegada à Presidência mostrou que as mulheres podem.

“Em 2010, uma moça se aproximou de mim com uma menina, agarrada na saia da mãe, e disse que ela queria perguntar uma coisa. ‘Ela quer saber se menina pode. Se menina pode ser presidenta da República’. E eu disse pode”, contou Dilma.

Dilma lembrou que seu governo e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva deram vários passos em relação à igualdade de gênero, mas que essas conquistas podem ter retrocessos com o golpe. A presidenta ainda disse ter orgulho de ter sancionado a lei das empregadas domésticas, que deu direitos trabalhistas a essas trabalhadoras.

“As mulheres são extremamente prejudicadas nessa lógica do privilégio que rege no país. Daí que tenho muito orgulho de ter sancionado a lei das empregadas domésticas”, afirmou. Outra ação foi direcionar as políticas distributivas, como o Bolsa Família, para as mulheres. Isso porque ela e Lula perceberam que eram as mulheres que estruturavam a maioria das famílias.

“Sem focar nas mulheres, as políticas de distribuição de renda não eram efetivas, porque as mulheres tinham um protagonismo especial na sociedade, porque elas estruturavam famílias”, afirma.

“Estatísticas provam que  a miséria e pobreza tem uma face, que é a mulher negra e pobre”. A presidenta lembrou que, além da questão de gênero, é essencial combater o racismo em todas as instâncias, já que nosso país ainda não superou os privilégios provenientes da escravidão.

Fonte:  Agência PT de Notícias

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais