Rui Falcão: Lula é nosso candidato em 2018 e não há plano B

Compartilhar
 
Em entrevista ao jornal “Folha de S. Paulo”, Falcão defendeu que Lula assuma a presidência do PT, falou sobre a Lava Jato, Temer, entre outros assuntos

Foto: Ricardo Stuckert/ Instituto Lula

Foto: Ricardo Stuckert/ Instituto Lula

O presidente nacional do PT, Rui Falcão, garantiu, em entrevista ao jornal “Folha de S. Paulo” publicada neste domingo (4), que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é o candidato do partido à Presidência em 2018. Ele ainda garante que não há nenhum “plano B” para esta questão.

“É uma exigência nacional, não só do PT, mas daqueles que veem nele um líder. (…) Quem pensa em plano B descarta o plano A”, explicou. Além disso, Falcão defende que Lula assuma o comando do PT.

Durante a entrevista, o presidente do PT relembrou o legado que o partido deixou, durante as gestões na Presidência, com Lula e Dilma Rousseff, no País. “Temos um legado de transformações do país, de ascensão de 40 milhões de pessoas. O Brasil saiu do Mapa da Fome, passou a ser respeitado internacionalmente”.

Falcão rebateu as críticas econômicas feitas em relação às gestões petistas. “Há uma ideia de que o país quebrou por conta do gasto que o nosso governo promoveu. O que cresceu efetivamente nos governos Lula e Dilma e particularmente em 2015? Os benefícios sociais. Aumento de salário mínimo, benefício para os idosos, Previdência rural. Enquanto esse tipo de despesa crescia, a arrecadação caía, por causa dos efeitos da crise mundial. E ao mesmo tempo o excesso de desonerações, que eram feitas para evitar o aumento do desemprego e para fazer a retomada do crescimento”.

Além disso, ele lembrou que o PT continua a ser o partido preferido dos brasileiros. “O PT, mesmo com todas as perdas em sua imagem, continua a ser o partido de preferência nacional. As pesquisas falam em 13% e os demais estão na faixa de 6%, 7%. Claro que chegamos a ter 32% no auge da popularidade do Lula. E ele ainda é o candidato mais competitivo em 2018. Eu não tenho visto nas conversas com deputados e senadores nenhuma manifestação de debandada. Acho que o processo de debate que se faz, as propostas de retificação, de revisão de política, o próprio fato de o Lula poder vir a presidir o PT”.

Para Falcão, Temer deveria renunciar “imediatamente”. Ele ainda criticou a condução da economia feita pela gestão golpista.  “Se ele tivesse um mínimo de preocupação em como vai passar para a história além de usurpador, golpista e traidor, deveria renunciar. Fizeram uma aposta de alto risco, que foi depor um governo eleito e promover um ajuste de acordo com seus interesses. Esse processo está se frustrando”.

 

Lava Jato e abuso de autoridade

Sobre a Lava Jato, o petista voltou a dizer que o PT não é contra o combate à corrupção, mas sim contra a operação ser utilizada como instrumento de proscrição de um partido e uma liderança.

“A Lava Jato não pode se realizar à margem da lei. Vários descaminhos têm sido cometidos: a condução coercitiva do Lula, a gravação ilegal e divulgação [de conversa com Dilma], as prisões preventivas desnecessárias e excessivas. Isso condenamos”.

Para ele, Moro comete abuso de autoridade e deveria se considerar suspeito em relação ao Lula, “porque tem antecipado intenções de condenar sem prova”.

Fonte:  Agência PT de Notícias, com informações do jornal “Folha de S. Paulo

 

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais