Aliados do usurpador Temer aprovam Reforma da Previdência na CCJ

Compartilhar
 
Votação aconteceu na madrugada desta quinta (15), após 10 horas de discussão, e recebeu críticas dos deputados de oposição ao governo ilegítimo
 

São Bernardo do Campo- SP- Brasil- 09/12/2016- Metalúrgicos do ABC durante ato contra a Reforma da Previdência Foto: Roberto Parizotti/ CUT

 

Com 31 votos favoráveis e 20 contrários, a Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados aprovou a admissibilidade da Reforma da Previdência, proposta pelo golpista Michel Temer (PMDB). A votação aconteceu na madrugada desta quinta-feira (15), após mais de 10 horas de discussão.

Com a aprovação na CCJ, será criada uma comissão especial para debater o mérito da proposta, que será instalada em fevereiro de 2017, após o recesso parlamentar e a eleição da nova Mesa Diretora da Câmara.

A votação da admissibilidade durante a madrugada foi criticada por deputados da oposição. “A madrugada é péssima conselheira e inimiga da transparência do Parlamento”, disse o deputado Chico Alencar (PSOL-RJ).

A deputada federal Maria do Rosário (PT-RS) destacou que partidos da base do governo ilegítimo trocavam integrantes para garantir o quórum.

“Quando alguém ia embora, trocava por outro, chegava uma carta do líder, mas isso tudo na madrugada, com o protocolo fechado, sem ritos adequados. Mais um golpe contra a democracia no Brasil”, enfatizou.

 

A petista repudiou, também, a proposta de reforma da Previdência, que eleva para 65 anos a idade mínima para o trabalhador se aposentar, além de aumentar para 49 anos o tempo de contribuição para receber a aposentadoria integral.

“Isso aqui foi mais uma vergonha desse governo Temer, um governo que não tem votos, que decidiu ficar favorável ao mercado, contra o interesse público. A Constituição está sendo rasgada todos os dias desde que Michel Temer assumiu o governo”, completou Rosário.

Para o deputado Rubens Pereira Junior (PCdoB-MA), caso a reforma da Previdência de Temer seja aprovada, as pessoas não vão nem poder se aposentar.

“A proposta aumenta ainda a idade para as pessoas requererem o benefício de prestação continuada da seguridade social de 65 para 70 anos, o que inviabiliza o acesso a esse benefício”, argumentou.

O deputado Alessandro Molon (Rede-RJ) questionou a ausência de cálculos demonstrando a situação real da Previdência e criticou o aumento de 15 para 25 anos do tempo mínimo de contribuição.

“A maioria absoluta das pessoas não consegue comprovar esse período de contribuição e, normalmente, são os mais pobres, que trabalham na informalidade”, comentou.

 

Votação das Diretas Já

Além de aprovar a constitucionalidade da proposta de reforma da Previdência, a base aliada do governo ilegítimo de Temer ainda barrou, na mesma sessão da CCJ, votação da PEC das eleições diretas para presidente.

A Comissão derrubou o requerimento apresentado pelo líder em exercício da Minoria na Casa, deputado José Guimarães (PT-CE), que incluía na pauta de votação do colegiado a apreciação da PEC 227/16, de autoria do deputado Miro Teixeira (Rede-RJ), que prevê eleições diretas no caso de vacância da Presidência da República até seis últimos meses do mandato.

Com votos do PT, PCdoB, PDT, Rede e Psol,o requerimento recebeu nove votos favor, mas 33 contrários.

“Não podemos legislar olhando para este ou aquele governo, mas temos que estabelecer que somente a soberania popular pode eleger o mandatário maior da nação. Deveríamos fazer uma concertação entre todos os partidos para realizar uma eleição direta, e respeitarmos o resultado. O melhor caminho para sair da crise é o democrático, com novas eleições”, disse Guimarães.

Fonte: Agência PT de Notícias

 

Últimos artigos

Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais
Rui Falcão: As alternativas do PT para a Previdência
segunda, 13 março 2017, 19:03
  Em meio às manifestações contra o desmonte da Previdência (e foi notável a reação das mulheres no 8 de março, dia de luta também contra o conservadorismo e a violência), abre-se agora o debate sobre qual a melhor tática... Leia Mais