PT na Câmara define apoio à candidatura de André Figueiredo (PDT)

Compartilhar

 

 

Decisão da bancada foi por unanimidade; deputado cearense participou do governo Lula e foi ministro de Dilma

Bancada do PT anuncia apoio a André Figueiredo (PDT). Foto: Lula Marques/Agência PT

A Bancada do Partido dos Trabalhadores na Câmara dos Deputados decidiu apoiar a candidatura de André Figueiredo, do PDT, para a presidência da Casa. A definição foi anunciada após reunião da Bancada, na tarde desta terça-feira (31), em Brasília. A eleição para a presidência da Câmara dos Deputados acontecerá na quinta-feira, dia 2 de fevereiro.

Para o líder do PT na Câmara, Carlos Zarattini (PT-SP), a decisão representa “um gesto de unidade das forças de oposição, das forças de esquerda na luta por uma Câmara mais democrática”. “Por uma presidência (da Câmara) que respeite o regimento interno, os espaços dos partidos, onde o povo possa vir e ocupar as galerias, porque isso aqui é a casa do povo”, afirmou.

André Figueiredo é filiado ao PDT desde 1984, partido do qual é presidente no Ceará e exerce a 1ª vice-presidência nacional. Cumpre seu quarto mandato como deputado federal. Foi secretário-executivo do Ministério do Trabalho e Emprego no governo Lula de 2007 a 2010. Em outubro de 2015, foi indicado ministro das Comunicações por Dilma Rousseff e ficou no cargo até o afastamento da presidenta eleita, em abril de 2016.

Figueiredo liderou na Câmara, em 2013, a aprovação do Plano Nacional de Educação (PNE), que garantiu 10% do PIB para a educação, e foi escolhido como relator da Lei dos Royalties do Pré-Sal. No Congresso Nacional, texto de sua autoria, convertido na Lei 12858/2013, garantiu a destinação de mais de 300 bilhões de reais para a educação e a saúde nos próximos dez anos.

Em outubro de 2016, votou contra o projeto de lei 4567/2016, de autoria de José Serra (PSDB-SP), que permitia a empresas multinacionais explorar o petróleo da camada pré-sal sem realizar consórcios com a Petrobras. O texto, no entanto, foi aprovado pela base do governo golpista de Michel Temer (PMDB) por 292 votos a favor e 101 contrários.

Zarattini disse que o PT quer o respeito à proporcionalidade na constituição da mesa diretora.

“Infelizmente, a Constituição brasileira também prevê a formação e blocos, o que desvirtua essa proporcionalidade e desvirtua a força do voto popular,que nos deu a segunda maior bancada. Mas nós vamos constituir o bloco com a minoria e queremos estar na luta para que seja respeitado, porque o regimento interno garante à minoria a participação na mesa”.

O líder ainda explicou que a intenção é ampliar o bloco para derrotar os golpistas. “Nós queremos ampliar o bloco, vamos ainda conversar com a Rede, conversar com o Psol, tentar resgatar o PCdoB, trazer o PCdoB junto com a gente, para a gente derrotar aqui essa maioria que quer tripudiar em cima da minoria e impedir que passe pelo Congresso as medidas ruins, negativas, maléficas do governo Temer, a reforma da Previdência, a reforma trabalhista e uma série de outras medidas que visam diminuir os direitos do povo brasileiro”.

Em publicação no Twitter, a deputada Erika Kokay (PT-DF) afirmou que a decisão foi unânime.

 

Com a escolha de André Figueiredo, os parlamentares do PT reforçam a luta em defesa da democracia e por nenhum direito a menos.

Segundo o deputado Vander Loubet (PT-MS), o partido fechou posição pela formação de um bloco de esquerda junto com o PCdoB, PDT e outros partidos em apoio à candidatura de Figueiredo.

Contra golpistas

Em artigo divulgado no último domingo (29), o presidente nacional do PT, Rui Falcão, defendeu que o partido se aliasse ao PDT, PCdoB, Rede e PSol para as eleições na Câmara e no Senado. Com a decisão divulgada nesta terça, o PT reafirma posição contra os golpistas.

“Minha opinião pessoal é que nos unamos aos parlamentares da oposição (PDT, PC do B, Rede e Psol) num bloco a ser encabeçado (a) por alguém deste campo”, disse Rui.

 

Fonte: Agência PT de Notícias

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais