Com Lula, cobradora de ônibus realiza o sonho da casa própria

Compartilhar

 

Durante o governo do ex-presidente, a economia brasileira melhorou e Luiza saiu do aluguel. Além disso, hoje ela estuda Pedagogia graças ao ProUni

“Graças ao PT eu tenho casa, estou estudando Pedagogia e criei minha filha. Era muito difícil sair do aluguel, mas quando Lula foi eleito a economia melhorou muito. E isso tudo é consequência do trabalho dele, que olhou para todos os trabalhadores”.

É assim que Luiza Owhoka, 41 anos, define o grande impacto da gestão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em sua vida. Nascida no bairro da Liberdade, em São Paulo (SP), Luiza mudou-se ainda pequena para a Zona Leste, onde sempre estudou em escolas públicas.

“O ProUni não foi, ele é, e não só para mim, mas para muitas pessoas, um divisor de ss muito grande. Hoje, a pessoa que não tinha renda para fazer um curso superior tem acesso à educação e se forma. A dificuldade da classe operária é financeira, não é falta de vontade de vencer”, diz.

Luiza concluiu o ensino médio e, logo em seguida, engravidou. “Por conta disso, fiquei 18 anos afastada dos estudos, porque a minha prioridade era criar a minha filha, mas nunca desisti do sonho da faculdade”, lembra.

Cobradora de ônibus desde 2011, Luiza não imaginava que conseguiria o Programa Universidade para Todos (ProUni). “Passei com uma boa colocação e hoje sou bolsista integral na faculdade Sumaré. Estou no 6º semestre do curso de Pedagogia”.

O ProUni foi criado por meio da lei nº 11.096, no primeiro mandato de Lula, e concede bolsas de estudo integrais e parciais em instituições privadas de ensino superior.

“A minha mensalidade custa R$ 500 e a renda de um cobrador, sem nenhum desconto, gira em torno de R$ 1,5 mil. Sem o programa eu jamais ia poder estudar”, explica.

Atualmente, Luiza é uma das diretoras do Sindicato dos Condutores de Veículos Rodoviários e Trabalhadores em Transportes Urbanos, Metropolitanos, Intermunicipais de Guarulhos e Região (Sincoverg) e trabalha em defesa das mulheres da categoria (motoristas e cobradoras) contra assédio, constrangimento, abuso, machismo, racismo e outros conflitos de gênero.

“Na verdade, ainda sou cobradora porque quando a gente é afastada pelo sindicato nós continuamos funcionária da empresa. Nós somos afastados para prestar um serviço, mas podemos retornar a qualquer momento’, explica.

A sua rotina é puxada, mas ela não se arrepende. Acorda às 6h, trabalha no sindicato das 8h às 17h e, depois, segue para a faculdade. “Minha aula começa às 20h30, mas chego antes para poder estudar. Chego em casa por volta da 1h da madrugada e ainda tenho as coisas da casa para fazer”, conta.

Já a escolha do curso tem tudo a ver com seu desejo de um país melhor. Para ela, a educação é a base de tudo e ela quer ser parte da mudança que quer ver no mundo.

“Nada é feito sem professor, é uma função essencial. Eu tenho que ser parte da mudança que eu quero ver no mundo. Para o futuro, penso em fazer uma pós em Ciências Políticas, aliando a Pedagogia com a militância e abrindo espaço p nós, mulheres, negras e pobres.

Os impactos do governo Lula na vida da cobradora não param por aí. Com a melhora na economia durante o governo petista, Luiza mudou-se para Guarulhos e comprou sua própria casa.

“Lula melhorou muito a economia, o poder aquisitivo do brasileiro aumentou. Com ele, o Brasil virou janela para o mundo, ele ganhou respeito mundial”, comemora.



Desgoverno

“Viramos um país de circo. Temer representa um desgoverno de uma pessoa desleal, machista, que discrimina e faz comentários sarcásticos com a classe operária e com as mulheres”, lamenta.

Luiza enfatiza que muitos colegas da faculdade foram prejudicados com a nova gestão e perderam o Fies e o ProUni. “De um ano para cá, foram mais ou menos seis amigos próximos. O problema nunca foi o Lula nem a Dilma”.

Ela ainda ressalta a importância do povo ir às ruas em defesa dos seus direitos e a necessidade de maior interesse na política.

“A reforma trabalhista é a extinção do trabalhador, porque vamos virar escravos e morrer trabalhando. A reforma da Previdência vem para consolidar isso. O povo tem que ir às ruas. A política nos impacta em tudo e o conhecimento é o que pode nos tornar em um país melhor”, diz.

A cobradora ainda lembra que no primeiro manifesto contra Temer, “ele colocou a polícia na rua para bater nos estudantes. Ele é um ditador, a democracia passou longe, o machismo e a xenofobia estão ali”.

Por fim, Luiza ressalta que “quem está na rua são os jovens, são os estudantes que Lula abriu a porta. Isso é a colheita, é o que o PT plantou e está dando fruto. Espero que Lula olhe por nós também em 2018”, torce.

Foto: Kamilla Ferreira

Fonte:

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais