São Paulo: Haddad promete entregar Hospital de Parelheiros até 2015

Compartilhar



Tatiana Santiago/ G1

O prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) vistoriou três terrenos na Zona Sul da capital, na manhã desta segunda-feira (4), para escolher o local em que será construído o Hospital Parelheiros.  Segundo o prefeito, a unidade será entregue até 2015 para a população, um ano antes do término da sua gestão.

O Hospital Parelheiros é uma antiga promessa da prefeitura para a região e estava no plano de metas do ex-prefeito Gilberto Kassab (PSD). O local deveria ter sido entregue até o fim do ano passado, mas não tinha terreno para ser erguido. Também estavam previstas a entrega dos hospitais Brasilândia, na Zona Norte, e na Vila Matilde, na Zona Leste.

Na tentativa de dar mais rapidez ao processo, Haddad prometeu desapropriar dois terrenos em Parelheiros ainda no mês de março. Um dos locais mais cotados está localizado na Avenida Sadamu Inoue, onde funcionava uma garagem de ônibus. Uma das áreas será usada para a construção de um hospital geral e outra para o terminal de ônibus Parelheiros.

“Nós vamos chamar as duas secretarias envolvidas, transportes e saúde, para definir aonde vai ser o terminal e aonde vai ser o terminal de Parelheiros”, afirmou Haddad. Segundo o prefeito, as licitações devem ocorrer até a metade deste ano. Ele também criticou a demora para a construção das unidades. “Esses hospitais estão há dez anos e não há sequer decreto de utilidade pública (DUP)”, disse.

Os recursos para a desapropriação das duas áreas foram disponibilizados pela Prefeitura nesta segunda. Apesar da negociação não ter ocorrido, a estimativa da administração municipal é que os custos para desapropriar os terrenos girem em torno de R$ 25 milhões. A licitação deve ocorrer até o meio do ano.

Durante a ex-gestão municipal, o hospital teria 50 leitos. Haddad promete ampliar o número de vagas e construir no mínimo 200 leitos em cada unidade. Com isso, a cidade deve ganhar no mínimo 600 leitos até o fim de 2016. No projeto de Kassab, seriam entregues 175 vagas através de uma parceria-público privada (PPP), mas o projeto não saiu do papel.

A Prefeitura também está localizando um terreno para o hospital de Brasilândia, na Zona Norte. Já em relação ao hospital da Zona Leste, as negociações para a compra do terreno continuam.
“Esses hospitais estão há dez anos e não há sequer decreto de utilidade pública (DUP)”

Parceria
A prefeitura estuda uma parceria com a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) para que a unidade de Parelheiros seja um hospital-escola.

“Como não existe espaço para a ampliação do Hospital São Paulo, talvez eles se interessem”, disse o prefeito após conversa coma reitora da universidade. Ele ressaltou que mesmo que a parceria não ocorra não haverá impedimentos para o funcionamento do hospital.

 

Foto: Tatiana Santiago/G1

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais