LOCAL: 45 ANOS DO 1º DE MAIO NA PRAÇA DA SÉ

Compartilhar
 
 
O próximo Sábado Resistente, 4 de maio, será dedicado ao debate dos 45 anos do 1º de Maio de 1968 na Praça da Sé, quando sindicalistas combativos e militantes da resistência à ditadura presentes à comemoração oficial comandada pelo governador Roberto de Abreu Sodré, da Arena (Aliança Renovadora Nacional), transformaram o ato de propaganda do regime em protesto contra o arrocho salarial.
Um desses militantes era Marcos Antonio Braz de Carvalho, o Marquito, que se tornaria um dos mais destacados líderes da ALN (Ação Libertadora Nacional). Ele cortou os fios do sistema de som quando Abreu Sodré começou a falar, dando início aos protestos dos manifestantes. A polícia reprimiu a manifestação ao perceber que ela fugira ao controle dos organizadores ligados ao governo.
Fotografado pelo Deops (Departamento de Ordem Política e Social de São Paulo) naquele 1º de Maio, Marquito entrou para a clandestinidade e mergulhou na luta armada. É ele quem aparece na fotografia aicma, identificado como o número "2". Até a sua morte, participou de numerosas ações de recolhimento de fundos para financiar a ALN.
Primeiro comandante do GTA (Grupo Tático Armado) da ALN, escolhido por Carlos Marighella, ele foi morto em janeiro de 1969 pela equipe policial chefiada pelo investigador Raul Nogueira Lima, o Raul Careca - integrante do CCC (Comando de Caça aos Comunistas) e denunciado como torturador. A necropsia revelou que Marquito recebeu tiros nas costas. Em 2004, a Comissão Especial Sobre Mortos e Desaparecidos Políticos, do Ministério da Justiça, julgou que o guerrilheiro foi executado pelos policiais.
Durante o Sábado Resistente será distribuída cartilha sobre o militante da ALN Marcos Antonio Braz de Carvalho, o Marquito, produzida pelo Núcleo de Preservação da Memória Política.
Data - 4 de maio
Programação
14h: Boas vindas
  • Katia Felipini (Coordenadora do Memorial da Resistência de São  Paulo)
  • Coordenação - Maurice Politi (diretor do Núcleo de Preservação da Memória Política)
14h15 - 16h: Palestras
  • José Ibrahim (Presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Osasco, em 1968, e líder da greve da Cobrasma - a primeira após o golpe civil e militar de 1964)
  • Itobi Alves Corrêa (Advogado, ex-militante da ALN)
  • Raphael Martinelli (Líder ferroviário, dirigente do CGT (Comando Geral dos Trabalhadores) e presidente do Fórum dos Ex-Presos e Perseguidos Políticos do Estado de São Paulo)
16h - 16h30
  • Debate com o público
16h30 - 17h30
  • Lançamento do livro "Memórias da Resistência", organizado por Marco Escrivão, Tito Flávio Bellini e Pedro Russo (Compacta Editora Ltda., 2012)
Local
  • Memorial da Resistência de São Paulo (Largo General Osório, 66 - Luz Auditório Vitae - 5º andar)
Os Sábados Resistentes, promovidos pelo Memorial da Resistência de São Paulo e pelo Núcleo de Preservação da Memória Política, são um espaço de discussão entre militantes das causas libertárias, de ontem e de hoje, pesquisadores, estudantes e todos os interessados no debate sobre as lutas contra a repressão, em especial à resistência ao regime civil-militar implantado com o golpe de Estado de 1964. Os Sábados Resistentes têm como objetivo maior o aprofundamento dos conceitos de Liberdade, Igualdade e Democracia, fundamentais ao Ser Humano.

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais