LOCAL: Fórum Mudar SP debate democratização do livro na Virada Cultural

Compartilhar

 

Também foi reivindicada articulação das Secretarias do Município, principalmente as de Cultura e Educação, que na gestão anterior mostraram-se apartadas, do que resultou a fragmentação de políticas públicas e, em muitos casos, paralisia ou sub-aproveitamento de programas e equipamentos.

 
Por Fórum Mudar São Paulo
Terça-feira, 21 de maio de 2013


A conversa sobre a democratização do livro e da leitura foi um momento importante da Virada Cultural. Em ambiente de muita convergência de ideias e vontades, os debatedores enfatizaram a necessidade de se intensificar a articulação entre movimentos da sociedade civil e poder público, no sentido de desatar nós que dificultam o amplo letramento da população.

Luiz Bagolin (ao microfone), Diretor da Biblioteca Mário de Andrade, destacou as dificuldades que
enfrenta, desde a ausência de funcionários à falta de motivação dos que assumem a difícil tarefa de fazer funcionar uma das maiores bibliotecas do país e da América Latina. Destacou que sua maior preocupação neste momento é recuperar a auto-estima dos trabalhadores, o que implica, necessariamente, em recuperação dos salários extremamente defasados e desestimulantes, o que já é objeto de ação do prefeito Haddad, que tomou medidas concretas para o aumento dos vencimentos dos servidores em nível municipal.

O Secretário-Executivo do Plano Nacional do Livro e Leitura, José Castilho, ressaltou a necessidade de que a sociedade organizada pressione, critique e auxilie mais as instância de poder, para que a cultura em geral e o livro e a leitura em particular ocupem maiores espaços nas preocupações governamentais, uma vez que esse setor é, por natureza, articulador de outros. Para ele, o PNLL (Plano Nacional do Livro e Leitura), precisa ser traduzido nos níveis estadual e municipal, pois é nesses níveis, particularmente no municipal, que as políticas públicas, genericamente traçadas no PNLL, ganham concretude e têm maiores chances de eficácia em curto prazo de tempo.

Por sua vez, Haroldo Ceravolo Sereza, presidente da LIBRE, saudou o diálogo que se tem estabelecido entre essa entidade, que reúne pequenas, médias e editoras independentes, com os governos Federal e do Município de São Paulo, dos quais se esperam medidas que incentivem o amplo acesso ao livro. Para ele, precisa haver regularidade nesse diálogo, com objetivos traçados democraticamente, de maneira a mobilizar os setores que, envolvidos na cadeia produtiva do livro, têm muito a contribuir com a elevação do padrão cultural da população.

Jeosafá, pelo Fórum Mudar São Paulo, integrante o movimento Rodamundo, destacou o alto grau de monopolização em todos os pontos da extensa cadeia produtiva do livro, situação que impõe medidas concretas do Estado, em níveis federal, estadual e municipal, para a desconcentração de riquezas e poder, situação que tem resultado em prejuízo para a parte mais desassistida da população, para as pequenas e médias editoras e mesmo para o setor livreiro, que vê minguar pontos de venda em todo o país. Reivindicou um Plano Municipal do Livro e Leitura, a exemplo do que se faz em âmbito federal, e destacou ainda a necessidade de que o poder público ajude a articular as muitas iniciativas espontâneas da sociedade civil em defesa da leitura e do letramento da população, a exemplo dos saraus que se proliferam pela cidade - e pelo país, acrescentou o secretário José Castilho.

Aberta a palavra ao público, a preocupação com o acesso ao livro, desde a ausência de livrarias nas periferias de São Paulo até as dificuldades de novos autores participarem de programas governamentais já existentes ganharam relevo. Também foi reivindicada articulação das Secretarias do Município, principalmente as de Cultura e Educação, que na gestão anterior mostraram-se apartadas, do que resultou a fragmentação de políticas públicas e, em muitos casos, paralisia ou sub-aproveitamento de programas e equipamentos.

Ao final, todos consideram necessário que o diálogo prosseguisse na forma de fóruns convocados pelo poder público, de modo a se aproveitar as ideias e as energias dos setores organizados da população da indústria para mobilizar a cidade em torno de ações que eliminem os gargalos que impedem a cidade de se tornar uma efetiva cidade leitora.

Últimos artigos

Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais
Rui Falcão: As alternativas do PT para a Previdência
segunda, 13 março 2017, 19:03
  Em meio às manifestações contra o desmonte da Previdência (e foi notável a reação das mulheres no 8 de março, dia de luta também contra o conservadorismo e a violência), abre-se agora o debate sobre qual a melhor tática... Leia Mais