LOCAL: Prefeito confirma reajuste para dia 1º e tarifa menor que R$ 3,40

Compartilhar

 

Haddad declarou que busca alternativas para que o aumento da tarifa de ônibus seja menor que R$ 3,40. Proposta de reajuste será encaminhada à Câmara e novo valor entrará em vigor no dia 1º de junho

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, afirmou que busca alternativas para que o reajuste da passagem de ônibus seja inferior à inflação acumulada nos últimos dois anos. A proposta será encaminhada à Câmara para que a nova tarifa entre em vigor no dia 1º de junho. Segundo o prefeito, o valor será inferior a R$ 3,40.

“Nós vamos fazer um esforço para ser o menor reajuste possível. Volto a dizer, apesar da inflação acumulada na ordem de 15%, o que daria algo em torno de R$ 3,44, o pedido que eu fiz para o Planejamento, Finanças e Secretaria de Transportes, é até o último momento verificar os recursos disponíveis para que a Prefeitura consiga dar o menor reajuste possível”, afirmou Haddad.

Haddad explicou que, devido ao valor ser abaixo da inflação, haverá subsídio da Prefeitura. “Todo o valor menor que a inflação é compensado com dinheiro do orçamento. Então não tem mistério: ou é tarifa, ou é subsídio. Eu preciso desse tempo para colaborar com a população dando o menor reajuste possível diante da realidade orçamentária”, destacou o prefeito, que completou: “É uma forma de a gente colaborar com o país, colaborar com o poder de compra do salário do trabalhador. Eu vou esgotar todas as possibilidades.”

Inflação
O prefeito lembrou de encontro que teve na semana passada com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, para trazer a inflação para a meta e, assim, colaborar com o Governo Federal, mesmo com os dois anos e meio de inflação acumulada. Por este motivo, existe um empenho da Prefeitura e do Governo do Estado para que o reajuste da passagem seja a menor possível para ônibus, trens e metrô da cidade.

“O governador (Geraldo Alckmin) e eu trocamos impressões sobre este assunto, queremos colaborar com essa política. Achamos importante dar essa contribuição porque é bom para o país, bom para São Paulo e bom para o trabalhador”, concluiu Haddad.


 

Últimos artigos

Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais
Rui Falcão: As alternativas do PT para a Previdência
segunda, 13 março 2017, 19:03
  Em meio às manifestações contra o desmonte da Previdência (e foi notável a reação das mulheres no 8 de março, dia de luta também contra o conservadorismo e a violência), abre-se agora o debate sobre qual a melhor tática... Leia Mais