Paridade das mulheres na política pode levar 148 anos

Compartilhar



A participação das mulheres na representação política do Brasil tem crescido nos últimos20 anos, mas está muito distante de atingir a paridade de 50%. “Ao ritmo de 1% de crescimento a cada eleição, vamos levar 148 anos para chegarmos a paridade na vereança no País”,  afirmou José Estauquio Diniz Alves, doutor em demografia do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). “A média nacional de representação feminina nas casas de parlamentares é de 12%, índice bastante inferior a de outros países e até mesmo de nações árabes. Na Argentina, por exemplo, é de 40%”, acrescentou.

Estauquio é um dos três organizadores do livro “As Mulheres nas Eleições de 2010”, obra que teve seu lançamento realizado no dia 24 de maio, na Câmara Municipal. As outras duas pesquisadoras do livro, trabalho considerado inédito no Brasil, são Céli Regina Jardim Pinto e Fátima Jordão. O evento recebeu apoio do mandato da vereadora Juliana Cardoso (PT).

“A pesquisa nasceu após edital lançado pela Secretaria Especial para Política para as Mulheres do governo federal”, explicou a vereadora. “O Consórcio Berta Lutz  foi o vencedor. Trata-se de um núcleo de pesquisadores de comprovada atuação na área”.

De acordo com Estauquio o livro tem três eixos. “O primeiro analisa o comportamento e a percepção do eleitorado brasileiro. O segundo realiza monitoramento da campanha e dos fatores que decidem as eleições”, disse. “E o terceiro se debruça na análise da influência da mídia na eleição com relação às mulheres na política. Este eixo foi organizado pelo Instituto Patrícia Galvão”.

Apesar de representar hoje 52% do eleitorado brasileiro, dos partidos terem adotado o reparte de cotas nos processos eleitorais, a baixa participação feminina na política é creditada ao conservadorismo e a estrutura partidária. “Na cidade mais rica e importante do País, fico estarrecido de verificar que de 55 vereadores temos apenas seis vereadoras”, comentou Eustáquio. “Mesmo com a eleição de uma presidenta no Brasil, as mulheres estão sub representadas em todas as esferas do poder político. Não existe sociedade desenvolvida sem o voto, sem a efetiva participação e a representatividade das mulheres”.  

Crédito foto: Ricardo Ri/CMSP

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais