Prefeitura constrói 11 mil casas e investe R$ 49 milhões em desapropriações neste semestre

Compartilhar

 

 

Município investirá R$ 49 milhões em depósitos judiciais até o fim do primeiro semestre para desapropriar 330 mil metros quadrados de áreas para a construção de moradias. Outras 11 mil unidades habitacionais estão em andamento e mais seis mil serão iniciadas até o fim do ano.

 

Cerca de 11 mil unidades habitacionais estão sendo construídas pela Prefeitura em São Paulo e outras seis mil deverão ter a produção iniciada até o fim deste ano. Nos primeiros meses de 2013, a Secretaria Municipal da Habitação já entregou 532 unidades. O Programa de Metas 2013-2016 prevê a construção de 55 mil novas moradias na cidade em quatro anos.

 

Além disso, o município investiu até o momento R$ 30 milhões em depósitos judiciais para desapropriações de terrenos para a construção de novas moradias - até o fim de junho mais R$ 19 milhões serão depositados. Com isso, será possível desapropriar 330 mil metros quadrados de áreas para a produção de 4,2 mil unidades habitacionais.

 

A meta divulgada pelo prefeito Fernando Haddad é a de investir R$ 300 milhões para a desapropriação do máximo de terrenos possíveis, que serão repassados à Caixa Econômica Federal para produção de casas pelo programa ‘Minha Casa, Minha Vida’.

 

Um dos maiores obstáculos, que é a identificação dos terrenos que podem receber moradias, já foi vencido com o mapeamento de locais feito pela Prefeitura no início da gestão.

 

“Vamos bater praticamente R$ 50 milhões em depósitos judiciais. A nossa meta é com R$ 300 milhões desapropriar um volume de área suficiente para a construção de 55 mil moradias, que é o nosso programa de metas”, afirmou Haddad. De acordo com o prefeito, a produção de novas moradias, dignas e adequadas, é a melhor forma de superar problemas como tratamento de esgoto.

 

 

Meta

 

Para cumprir a meta de 55 mil novas moradias até 2016, a Secretaria Municipal da Habitação e a Companhia Metropolitana da Habitação (Cohab), trabalha em diversas frentes.

 

Com o Programa de Mananciais, concentrado na Zona Sul, o município identificou 26 terrenos para receber 18 mil novas moradias e 12 das áreas já tiveram o decreto de Desapropriação de Interesse Social (DIS).

 

Outras 209 favelas em 17 Perímetros de Ação Integrada em diversas regiões da cidade receberão ações do Programa Renova São Paulo, que já identificou 40 terrenos para a construção de 13 mil moradias. Dez dos terrenos mapeados já tiveram a o DIS decretado.

 

Além disso, outros 20 terrenos serão desapropriados pela Cohab para a produção de 7 mil unidades habitacionais. Três das áreas já tiveram o DIS decretado.    

 

 

Últimos artigos

Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais
Rui Falcão: As alternativas do PT para a Previdência
segunda, 13 março 2017, 19:03
  Em meio às manifestações contra o desmonte da Previdência (e foi notável a reação das mulheres no 8 de março, dia de luta também contra o conservadorismo e a violência), abre-se agora o debate sobre qual a melhor tática... Leia Mais