'EU REPETIRIA', AFIRMA DELFIM SOBRE AI-5

Compartilhar

O economista e ex-ministro Antonio Delfim Netto reafirmou ontem que não se arrepende de ter participado da elaboração do Ato Institucional nº 5, conhecido como AI-5, que endureceu a ditadura militar dando ao presidente poderes para fechar o Congresso e suspender o habeas corpus para presos políticos.

"Se as condições fossem as mesmas e o futuro não fosse opaco, eu repetiria. Eu não só assinei o AI-5, como assinei a Constituição de 1988", disse o ex-ministro, que foi um dos signatários do ato publicado em 13 de dezembro de 1968.

Delfim depôs ontem à Comissão da Verdade da Câmara Municipal de São Paulo, que investiga crimes cometidos pela ditadura na cidade.

Ele foi ministro da Fazenda (1967-1974), da Agricultura (1979) e do Planejamento (1979-1985) no regime militar.

Delfim disse que nunca apoiou a repressão, mas que o AI-5 foi necessário porque o país "estava num estado de desarrumação geral".

O ex-ministro negou que soubesse de casos de tortura quando participou do governo militar e afirmou que havia uma "completa separação" entre a administração pública e os setores militares.

"Eu nunca ouvi dentro do governo nada sobre tortura. Em 1972, eu ainda perguntei para o [então presidente general Emílio Garrastazu] Médici: Existe isso?', e ele disse que não, que o que existia eram os conflitos de rua."

Apesar da insistência dos membros da comissão, que afirmaram que Delfim era o "homem forte" do governo, o ex-ministro negou que soubesse de empresários que teriam financiado a repressão. "Eu nunca tive conhecimento disso", disse.

A vereadora Juliana Cardoso (PT) mostrou fotografia em que Delfim aparece ao lado do empresário Henning Boilesen, apontado como financiador da repressão, mas Delfim negou ter mediado qualquer colaboração para o regime.

"O empresariado tinha a sua opinião, mas não se ouvia a opinião das empresas para fazer política. Talvez tenha sido isso o que gerou o crescimento", disse o ex-ministro, que comandou o chamado "milagre econômico" --período quando o país teve altas taxas de crescimento, no início dos anos 70.

CETICISMO

Os membros da comissão ouviram com ceticismo as respostas do ex-ministro.

"É muito difícil a gente poder aceitar que o senhor, no cargo que estava, não tinha conhecimento de pessoas que estavam sofrendo aquela situação", disse o vereador Gilberto Natalini (PV), presidente da comissão municipal.

"Eu tenho muita dificuldade de acreditar que o governo militar era tão disciplinado que a principal figura civil ignorava que vivíamos a tortura que vivíamos, a repressão que vivíamos", disse o vereador Ricardo Young (PPS).

Folha de São Paulo - Patrícia Britto

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais