"Não foi apresentado nenhum projeto alternativo para o país com mais fôlego do que o nosso", afirma Haddad

Compartilhar

Prefeito de São Paulo foi sabatinado por blogueiros na noite desta segunda (5) durante a estreia do Programa Contraponto

 
Por Aline Nascimento - Portal Linha Direta



Das manifestações ocorridas no mês de junho à execução das metas de seu plano de governo, Fernando Haddad respondeu a sabatina de blogueiros conhecidos e anônimos na noite dessa segunda-feira (5) durante a estreia do Programa Contraponto - iniciativa do Centro de Estudos Barão de Itararé e do Sindicato dos Bancários. A atração foi comandada pela presidenta da categoria, Juvândia Moreira.

Em meio a perguntas de Paulo Henrique Amorim (Conversa Afiada), Eduardo Guimarães (Blog da Cidadania), Luiz Carlos Azenha (Vi o Mundo) e Altamiro Borges (Blog do Miro), o petista apontou para a necessidade de repensar os programas sociais hoje em execução e a efetivação de ações em prol da mobilidade – foco principal de sua campanha – e da moradia, outro gargalo paulistano. Haddad lembrou que o mote da sua campanha foi destacar o quanto a vida do paulistano havia melhorado da porta para dentro. “E muita gente se reconheceu nesse bordão”.

Em uma conversa no início do ano, com Lula, Haddad teria dito que era preciso "pensar políticas sociais 3.0" – uma menção clara a necessidade de repensar as reais necessidades da população.

Manifestações

Para Haddad, “há uma indisposição inicial [de diálogo], mas que é facilmente quebrada porque o povo quer conversar, ele próprio quer entender para onde a gente vai caminhar”. E completa: “Não há como se promover avanços nas ciências, nas artes e na política negando-as. E muitos agentes políticos têm resvalado na negação (da política), o que concorre para o obscurantismo”, analisa.

O petista garante ainda que as ações vistas em todo o País, no caso de São Paulo, vão acelerar o processo de efetivação das bandeiras de luta levadas às ruas. “Do ponto de vista programático, vai acelerar o processo. Não vejo contradição programática da demanda, seja ela qual for, da corrupção, transporte coletivo, saúde pública. Enfim, eu estava defendendo tudo isso na campanha. (...)Do ponto de vista da opinião pública, nosso governo começa agora. Estávamos revendo contratos. Até porque não é um governo de continuidade”, fala ao lembrar que os atos se derem em meio a cinco meses de sua gestão.

Em resposta às ações de grupos conservadores que atuam nas redes sociais, o prefeito foi direto: “O fato é que não foi apresentado nenhum projeto alternativo para o país com mais fôlego do que o nosso”.

Transportes

Ao falar do transporte público, o prefeito assegurou que vai abrir [as contas públicas] às últimas consequências. “A população precisa ter o conforto de conhecer os números, não criei uma controladoria nem contratei uma empresa internacional à toa”, afirma.

Ele lembra ainda que duas ações são prioritárias nesse sentido, e que ambas serão cumpridas. “Uma é acabar com a taxa de inspeção veicular, que a partir do próximo ano não vai mais estar em vigor. A outra é o Bilhete Único Mensal. E vamos ter que fazer das tripas coração para fazer disso realidade”.

Arco do Futuro

Também carro chefe no plano de governo que o levou à vitória, o Arco do Futuro depende da aprovação no plano diretor – que será encaminhado já no mês de setembro. Segundo Haddad, a proposta “redesenha São Paulo”. “Vamos adensar a cidade onde ela pode ser adensada, que é perto do transporte público. É perto do metrô que você pode edificar e dar a população essa proximidade com o transporte público!”, cita como uma das várias ações previstas.

Ele ainda completa quando questionado sobre o prazo de conclusão das obras: “Até 2016 temos que aprovar o plano diretor. Aprovando, vamos tomar as rédeas da ordenação do território, a cidade passa a se desenvolver de acordo com essas regras”.

Atuação Política

“Não consigo tomar uma decisão sem que a população esteja cientificada dessas decisões. (...) E o político não pode perder a relação com a sociedade de não omitir nem fraudar a sociedade, esse eu acho que é o principal prejuízo, ser desacreditado pela população”.

Ao responder porque optou pela aparição pública ao lado do governador Geraldo Alckmin, Haddad disse que não seria “desleal, do ponto de vista político, quando eu sei que o governador atendeu a um pedido federal. Tenho certos protocolos que eu não rompo por duas razões: o primeiro é caráter, ou você tem hombridade para assumir sua postura ou não tem; a segunda é o interesse da cidade, que é muito maior que isso”.

O prefeito garantiu ainda que não poderia criar disputas artificiais em virtude de oportunismo político. “Há prejuízo de curto prazo em anunciar conjunta ou separadamente? Há, mas não acho que tenha que fazer essa contabilidade porque depois você vai ter tempo de explicar quais princípios e valores nortearam suas decisões”, finaliza.

Haddad comentou ainda a questão da regulamentação dos meios de comunicação, se mostrando favorável a uma lei que não interfiro nos conteúdos, mas normatize as formas de produção dos mesmos. Brincou também ao falar das eventuais chances de Padilha: "Ele larga com 3%", em referência clara as suas próprias chances na disputa pela Prefeitura.

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais