Movimentos realizam ato nesta quinta-feira (10/07) contra agressão ao 'Dito' e a criminalização dos movimentos sociais

Compartilhar


Nota de repúdio a truculência da PM com o advogado “Dito” militante da luta por moradia


O Diretório Municipal de São Paulo do Partido dos Trabalhadores repudia a  criminalização dos movimentos sociais e suas lideranças por parte da Polícia Militar no Estado de São Paulo, sob orientação do governo Geraldo Alckmin (PSDB).


O Diretório se solidariza com o companheiro Benedito Barbosa, conhecido como “Dito”, advogado, militante do Partido dos Trabalhadores e da luta por moradia. Ele foi brutamente agredido pela Polícia Militar  no dia 25 de junho, durante a ação de reintegração de posse do prédio  localizado rua Aurora, ocupado por famílias da Frente de Luta por Moradia  .


Há pelo menos 20 anos o governo do estado não tem política de diálogo com as demandas sociais e o povo paulista, com isso a maior parte das questões de segurança pública se reduzem exclusivamente a repressão.


Segue o convite dos movimentos para o ato:

A Central de Movimentos Populares, Centro de Direitos Humanos – Gaspar Garcia, FLM - Frente de Luta por Moradia, União dos Movimentos de Moradia da Grande São Paulo e Interior.
Convida todos (as), para participarem do Ato de Solidariedade ao Dr. Benedito Roberto Barbosa (Dito), que foi agredido, imobilizado, detido e proibido de exercer suas prerrogativas profissionais, na ação judicial de reintegração de posse da Rua Aurora, 713.
Data: 10/07/2014 (Quinta-feira)
Horário: 15h
Ponto de Concentração:
Praça da Sé

Exigimos a imediata mudança nas práticas judiciárias e policiais em reintegrações de posse e outras que envolvam conflitos fundiários e urbanos contra os movimentos de moradias e moradores em geral, sendo que deverão agir com senso de mediação e diálogo, garantindo a atuação de outros agentes profissionais, como advogados, conselheiros tutelares, assistentes sociais, oficiais de justiça, entre outros.
Exigimos apuração dos abusos cometidos pelos agentes da tropa de choque contra o advogado Benedito Roberto Barbosa e, em fase de inquérito, a plena desconstituição de crime de resistência e desobediência.
Exigimos a imediata apuração de abusos cometidos nas diversas operações policiais, onde moradores, moradoras e crianças têm sido agredidos e hostilizados no direito de luta por moradia digna.
Exigimos o fim do massacre da juventude que ocorre na periferia da cidade.
Exigimos a desmilitarização da polícia militar e da guarda metropolitana.
Exigimos que a luta pelo direito à moradia digna seja plenamente respeitada e não hostilizada pelo Poder Público.

PELO FIM DA CRIMINALIZAÇÃO DOS MOVIMENTOS SOCIAIS!!

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais