A cara de pau do governo tucano ao negar o racionamento de água

Compartilhar

Acreditem se quiser! Olha a que ponto chega a cara de pau de um governo tucano! em entrevista à Rádio CBN, o diretor da SABESP pra a Região Metropolitana da capital, Paulo Massato, comemorou a a “economia fabulosa” que a empresa faz, de até 13% em litros de água, com a redução, entre 22h e 6h diariamente em 70% na pressão do produto distribuído a rede.

A redução é o racionamento. Com ela, a água não sobe à rede dos bairros altos da capital e cidades da Grande São Paulo, abastecidas pelo Sistema Cantareira que está praticamente seco por falta das obras e medidas preventivas que o governo tucano do Estado não tomou para evitar o racionamento e a chegada à esta situação – o governo Geraldo Alckmin culpa as chuvas escassas pela falta de água.

É racionamento, mas o diretor Paulo Massato garante que não é. “Racionamento significa reduzir a cota de água por habitante, e nós não estamos fazendo isso. O que estamos fazendo é (…) uma redução da pressão no período noturno acompanhando a curva de consumo de cada setor de abastecimento”, afirmou.

Alckmin, para não perder votos, jura que não há racionamento

O governador, então, nem se fala. Por medo de perder votos em sua tentativa de reeleição, para ser governador do Estado pela 4ª vez, o dr. Geraldo Alckmin jura que não implantou o racionamento de água na capital, Grande São Paulo e municípios do entorno abastecidos pelo sistema do reservatório Cantareira.

Os técnicos e especialistas discordam e expõem essa discordância diariamente. Como é que pode o governador, sua estatal de abastecimento de água, a SABESP, o diretor Paulo Massato  e o pessoal da administração Alckmin negar que há racionamento se, da Vila Madalena (com seus bares sem água para lavar louça, substituídos por recipientes de papel na Zona Oeste) a bairros das Norte e Leste se queixa que sofre racionamento, sim, desde o início do ano?

Sem contar que em muitas áreas da Grande São Paulo a SABESP – em alguns casos desde o início do ano, em outros, há mais tempo – adotou um sistema de rodízio em que alterna os dias que os moradores recebem água. É claro que claro que estamos em pleno racionamento em São Paulo. Dizer o contrário, não assumir, é um crime.

Técnicos dizem que economia citada pelo diretor não existe

Na entrevista à CBN, o diretor Massato informou que a diminuição na pressão na rede poupou de “2.500 a 2.800 litros por segundo” do sistema Cantareira. Especialistas ouvidos pela Folha o contestam. Dizem que, para obter uma economia de água dessa magnitude, é necessário uma grande operação.

“Dificilmente se conseguiria essa quantidade mantendo o nível mínimo de pressão para abastecer as casas”, afirma à Folha Edevar Luvizotto Jr., professor de engenharia hidráulica da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). “Independentemente do nome que se dê, se falta água todo dia, em certo período, é um racionamento”, reforça Paulo Ferreira, professor de saneamento do Mackenzie.

Agora o Ministério Público Federal (MPE está recomendando ao governador Alckmin e à Sabesp que apresentem projetos para o imediato racionamento de água na região do Cantareira, para evitar colapso no abastecimento. O governador anunciou que não acata a recomendação e  vai aguardar autorização dos órgãos reguladores para captar uma segunda cota, de 100 bilhões de litros, do chamado “volume morto” (água do fundo do Cantareira). Dos 182,5 bilhões de litros da primeira cota, captados desde maio, 36,5% já foram consumidos.

Fonte: Publicação do Blog do Zé Dirceu

Últimos artigos

Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais
Rui Falcão: As alternativas do PT para a Previdência
segunda, 13 março 2017, 19:03
  Em meio às manifestações contra o desmonte da Previdência (e foi notável a reação das mulheres no 8 de março, dia de luta também contra o conservadorismo e a violência), abre-se agora o debate sobre qual a melhor tática... Leia Mais