Ao lado do prefeito de São Paulo, candidato ao Governo criticou a gestão tucana na Educação e detalhou suas as propostas para a área

Compartilhar

São Paulo, 3 de agosto de 2014 - A exemplo do que foi feito na Prefeitura de São Paulo pelo prefeito Fernando Haddad, o candidato ao Governo do Estado pela coligação Para Mudar de Verdade (PT-PCdoB-PR), Alexandre Padilha, afirmou que irá acabar com a aprovação automática nas escolas da Rede Estadual de Ensino. "O aluno não vai mais passar de ano sem saber a matéria, porque é isso que acontece nas escolas do PSDB. Vai ter prova e aulas de reforço para quem tem dificuldade", disse Padilha.


Aprendizado Continuado - O fim da aprovação automática faz parte de um conjunto de ações previstas no plano de governo do candidato para a área da educação, que tem como objetivo assegurar o aprendizado continuado efetivo a todas as crianças, adolescentes e jovens. A proposta de Padilha prevê a criação de uma nova estrutura informatizada de gestão das aprendizagens, com o estabelecimento de um currículo de referência, o acompanhamento e apoio às escolas, avaliação pedagógica padronizada, recuperação ao longo do processo de ensino, com aulas de reforço na própria escola, e mecanismos de acompanhamento pelas famílias, como o boletim escolar eletrônico.
Padilha reforçou que essas medidas vão substituir a atual aprovação automática dos governos do PSDB, que faz os alunos da escola pública de São Paulo passarem de ano mesmo que não tenham aprendido as matérias. “Se o foco atual da política educacional é fazer o estudante passar de ano, no nosso governo o foco será fazer o aluno aprender”, destacou o candidato.


Ao lado de Haddad, Padilha fez uma caminhada na manhã deste domingo pelo comércio do Parque Cocaia, região do Grajaú. O prefeito destacou parcerias feitas com Padilha na época em foi ministro da Educação e o candidato ao Governo ocupava a pasta da Saúde, como a isenção de pagamento do Fies para estudantes de medicina que, ao saírem da faculdade, trabalhem no SUS. "Com o Padilha no Governo e a Dilma na Presidência vamos fazer muito mais por São Paulo. O Padilha é jovem, tem muita competência e uma capacidade de formular políticas públicas muito grande. Será uma grande parceria", disse.


No sábado, ao lado da ex-prefeita de São Paulo e atual ministra da Cultura, Marta Suplicy, o candidato apresentou a proposta de criação do CEU Juventude, que vai oferecer escola pública em tempo integral para mais de 500 mil alunos do Ensino Fundamental II e do Ensino Médio.

Fonte: Analítica Comunicação

Foto: Georgia Branco

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais