Cantareira opera em déficit desde 2013

Compartilhar

Há 15 meses, o governo de Geraldo Alckmin retira mais água do Cantareira do que a quantidade que o sistema recebe de seus afluentes e da chuva. A diferença é de ao menos 5,8 mil litros por segundo, de acordo com o Grupo Técnico de Assessoramento Para Gestão do Sistema Cantareira (Gtag). Desde maio de 2013, a média entrada está abaixo de 14,2 mil litros por segundo e a retirada está acima da média de 20 mil litros por segundo.

Com o déficit contínuo, o prejuízo chegou a 647,4 bilhões de litros ao fim de julho, o equivalente a 66% da capacidade útil ou mais de quatro meses de abastecimento para a Grande São Paulo. Apenas no mês de setembro do ano passado, quando finda o período de estiagem, foi registrado o saldo negativo de 69,2 bilhões de litros de água.

Apesar de a crise do Cantareira ter sido decretada apenas no final de janeiro deste ano, há dois anos, as afluências do sistema começaram a apresentar níveis similares a 1953 e 1954, anos com os piores registros históricos.

O uso do banco de águas da Sabesp, estoque permite que a concessionária retire a mais a parcela de água não utilizada no mês anterior, agravou a situação. “Tendo como referência a chamada Curva de Aversão ao Risco, fica estabelecida que a Sabesp pode retirar 31 mil litros por segundo de água, se os níveis estiveram acima ou em cima da curva”, explica o professor de Engenharia Hidráulica da Universidade de São Paulo (USP), Rubem La Laina Porto.

O banco só pode ser usado em condições normais, o que não é o caso desde janeiro. A retirada de água dos reservatórios chegou a superar em mais de 6% a vazão máxima estabelecida na outorga de 2004. “Foi um erro usar esse banco de águas, só agravou a situação. Em janeiro desse ano, o nível dos reservatórios estava com apenas 27% da capacidade e as chuvas abaixo da média”, explica o professor Antônio Carlos Zuffo, do Departamento de Recursos Hídricos da Universidade de Campinas (Unicamp).

Em junho do ano passado, Zuffo já havia alertado a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp), sobre a conduta de risco da Sabesp em relação às retiradas. “Falei que a gestão do Cantareira era de alto risco e que quando houvesse uma seca o sistema iria estourar, pois estavam usando mais água do que o sistema podia regularizar. Um ano depois, está aí a prova”, diz.

Mesmo com a crise anunciada, a única medida tomada até o momento pela Sabesp foi a redução da vazão para 19,7 m³ e, ainda assim, “por determinação da Agência Nacional de Águas”, como lembra Zuffo. Nenhuma obra para armazenamento foi iniciada até o momento e o governador Geraldo Alckmin descartou a possibilidade de racionamento, prática que segundo o professor já está sendo aplicada. “O consumo feito hoje corresponde à metade de janeiro. Isso já é um racionamento”, explica.

Fonte: Agência PT de notícias

Últimos artigos

Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais
Rui Falcão: As alternativas do PT para a Previdência
segunda, 13 março 2017, 19:03
  Em meio às manifestações contra o desmonte da Previdência (e foi notável a reação das mulheres no 8 de março, dia de luta também contra o conservadorismo e a violência), abre-se agora o debate sobre qual a melhor tática... Leia Mais