Tempo de espera por exames é 5 vezes menor com Haddad

Compartilhar

Com a implantação da Rede Hora Certa, da gestão Haddad, a fila de pessoas esperando por consultas e exames com especialistas da rede municipal de saúde reduziu em 22%. Em 2012, eram 810 mil pessoas. Em julho deste ano, esse número reduziu para 650 mil.

Quem precisa de um exame de diagnóstico, como uma ultrassonografia, tinha que esperar até sete meses. Hoje, em 40 dias, o paciente consegue realizar o procedimento. Atualmente, são 10 unidades em funcionamento e a meta do prefeito Fernando Haddad é terminar 2016 com 32, uma em cada distrito de São Paulo.

Das unidades em inauguradas, quatro seguem o modelo móvel; seis,o fixo. As unidades móveis são caminhões com boxes que chegam a comportar 10 consultórios num determinado espaço. Os atendimentos dessas arenas priorizam principalmente as regiões mais afastadas do centro de São Paulo. Nelas, a população pode realizar exames que precisam de acompanhamento médico como ultrassom, endoscopia, colonoscopia, nasofibroscopia, eletroneuromiografia e ecocardiograma.

As arenas ficam montadas por cerca de dois meses em cada lugar e já rodaram 11 distritos do município: Ermelino Matarazzo, São Mateus, Guaianases (Zona Leste), Freguesia do Ó, Brasilândia, Pirituba, Tucuruvi (Zona Norte). Capela do Socorro, Santo Amaro (Zona Sul) e Anhangabaú (Centro). Além disso, a rede disponibilizou uma mini-arena na região de Campo Limpo (Zona Sul) e uma arena na Lapa (Zona Oeste) que realiza desde procedimentos demartológicos a oftalmológicos, como cirurgia de Catarata.

Hospitais-dia – Em 2013, foram inauguradas seis unidades fixas, chamadas hospitais-dia, uma em cada região do município de São Paulo. A estrutura conta com um ambulatório de especialidade e está inserida na proposta de cirurgia em regime dia. “O paciente chega ao ambulatório, faz a cirurgia durante o período da manhã e vai embora à tarde. Não fica internado”, explica o coordenador de Atenção Especializada, Flavius Olivetti Albieiri.

Os procedimentos realizados no hospital-dia são de média complexidade e diminuem as demandas dos hospitais. “São cirurgias de hérnias, varizes, do túnel do carpo. Com isso, deixamos cada vez mais os hospitais para cirurgias de urgência, aquelas que precisam de toda estrutura, como um transplante, amputação de um membro”, diz Albieri.

A meta do prefeito Fernando Haddad é que sejam inauguradas 32 unidades até o final de 2016, uma em cada subprefeitura. No total, a rede contabiliza 8 mil cirurgias, 102 mil exames e 170 mil consultas médicas desde dezembro, o que significa uma média de 4 mil consultas médicas por unidade/mês. Para 2014, nove unidades já estão programadas: São Miguel Paulista, São Mateus, Vila Prudente e Ipiranga (Zona Leste), Vila Maria, Vila Guilherme (Zona Norte), Butantã (Zona Oeste), Mooca, Barra e Aricanduva (Sudeste) e Campo Limpo e Capela do Socorro (Zona Sul).

Fonte: Agência PT de Notícias

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais