Haddad anuncia construção de 500 moradias em terreno de favela incendiada

Compartilhar

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), afirmou na manhã de desta quara-feira (10) durante visita à região da Brasilândia, na zona norte da capital paulista, que pretende desapropriar o terreno onde estava a favela do Piolho, no bairro do Campo Belo, na zona sul, para construir 500 moradias e abrigar a população desalojada. Cerca de 600 casas foram destruídas após o incêndio ocorrido na noite do último domingo (7), segundo os moradores. As causas ainda não foram esclarecidas.

"Nós já estamos desapropriando quase 200 imóveis na região da Água Espraiada para acomodar 8 mil famílias. Ontem tomamos uma nova decisão: também pretendemos desapropriar aquele terreno onde houve o incêndio para construir 500 unidades habitacionais ali e oferecer para as famílias que foram afetadas pelo incêndio e bolsa-aluguel até que a obra fique pronta", afirmou Haddad, em nota divulgada na página da prefeitura

O local não estava relacionado entre as áreas para destinar famílias removidas em virtude da Operação Urbana Água Espraiada.

Para a líder comunitária e conselheira da subprefeitura de Santo Amaro Elisete Lopes, a proposta é boa e será discutida com os moradores em reunião. “O que nos preocupa agora é o destino das famílias durante a construção, já que o auxílio de R$ 400 não é suficiente para pagar um aluguel na região”, afirmou.

Inicialmente a subprefeitura sinalizou que as famílias que não tivessem para onde ir poderiam reconstruir suas moradias no local. A construção deve levar entre 18 e 24 meses, a partir do início das obras.

A iniciativa do prefeito pode reverter a realidade de remoções e expulsão dos moradores pobres da região, iniciada com a construção da avenida Águas Espraiadas, hoje Jornalista Roberto Marinho, pelo ex-prefeito Paulo Maluf (1993-1996). Cerca de 80 mil pessoas chegaram a viver no local nos anos 1990. Desde então, milhares de remoções foram realizadas, fazendo com que as famílias se dirigissem aos extremos da cidade.

As mais recentes foram as das comunidades do Comando e do Buraco Quente, removidas em virtude da construção da Linha 17-Ouro, do Metrô paulista. Embora o monotrilho não passe sobre a comunidade, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) utilizou o mesmo expediente de Maluf, pagando indenizações de baixo valor, obrigando as famílias a irem viver em regiões afastadas, como os extremos sul e leste da cidade. Cerca de 400 famílias foram removidas das duas comunidades.

Esse é o terceiro incêndio que atinge a comunidade do Piolho. O local já tinha perspectiva de remoção por conta da operação urbana. Outras 11 comunidades que compõem o Complexo Alba, na região de Americanópolis, também devem ser removidas nos próximos anos.

Fonte: Rede Brasil Atual

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais