Com tom de amor, militantes comemoraram a vitória da presidenta Dilma na Avenida Paulista, em São Paulo

Compartilhar

Com muitas bandeiras e roupas vermelhas, eles fecharam a via cantando gritos de guerra e paz.

Alguns gritos, continham críticas a grande mídia e seu posicionamento em episódios históricos "a verdade é dura, a Globo apoiou a ditadura".

Outros militantes faziam referência à crise de abastecimento de água em São Paulo. “Aécio vai chorar na Cantareira, nossa vitória é brasileira’,
Mas o tom da comemoração era de muito amor e muita emoção, os presentes se abraçavam e gritavam repetidamente “A Dilma é só amor, a Dilma é só amor”.
Acompanhados de perto por agentes da CET e escoltados pela Polícia Militar, a militância se reuniu inicialmente no vão do Masp, enquanto outros grupos de apoio subiram pela rua Augusta para engrossar o coro que cantava versos como "A Dilma é só Amor" e "Nem Globo/ Nem a Veja/ É Dilma com certeza",

Um trio elétrico comandado por dirigentes, parlamentares, apoiadores e prefeitos animaram a festa em frente ao prédio da Gazeta, para onde os eleitores que iniciaram a festa no vão do Masp seguiram. De acordo com policiais militares que estavam no local, o Metrô da região foi fechado por segurança. Mas isso não impediu a chegada contínua dos petistas, que caminhavam desde o final da Avenida Paulista, na altura da R. Consolação, até o outro extremo da via sem parar de cantar os jingles de Dilma e balançar suas bandeiras vermelhas.

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, o deputado federal Orlando Silva (PC do B), o coordenador da campanha de Dilma em São Paulo e também prefeito de São Bernardo do Campo, Luis Marinho, além de parlamentares, dirigentes, fizeram falas breves de agradecimento cercadas de muito entusiasmo.
Estiveram presentes também, o Levante Popular da Juventude, a Juventude do PT, a União da Juventude Socialista, além de movimentos sociais, de moradia e sindicais.
Apesar do grande número de pessoas, a festa foi bastante organizada, com militantes de falando por rádios para não fechar os dois lados da avenida. A festa transcorreu pacificamente até a madrugada desta segunda (27).

Fonte: Imprensa PT- SP

Crédito foto: Paulo Pinto

Últimos artigos

Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais
Rui Falcão: As alternativas do PT para a Previdência
segunda, 13 março 2017, 19:03
  Em meio às manifestações contra o desmonte da Previdência (e foi notável a reação das mulheres no 8 de março, dia de luta também contra o conservadorismo e a violência), abre-se agora o debate sobre qual a melhor tática... Leia Mais