PT faz ato contra declaração separatista de Coronel Telhada

Compartilhar

A bancada de vereadores do PT de São Paulo realizou, na noite desta quinta-feira, um ato de protesto contra as “mensagens xenofóbicas disseminadas pelas redes sociais contra as regiões Norte e Nordeste do País após a reeleição da presidenta Dilma Rousseff”, com destaque para as declarações separatistas do vereador e deputado estadual eleito Coronel Telhada (PSDB), ex-comandante da Rota (Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar).

Logo após o resultado das urnas, Telhada disse, em seu perfil no Facebook, que os Estados das regiões Sul e Sudeste deveriam iniciar um “processo de independência”. “Por que devemos nos submeter a esse governo escolhido pelo Norte e Nordeste? Eles que paguem o preço sozinhos", escreveu o tucano, sendo criticado até mesmo dentro de seu próprio partido. Na semana passada, o PT protocolou representações contra Telhada na Corregedoria da Câmara e no Ministério Público, por quebra de decoro e preconceito.

O evento de repúdio a essa e outras declarações separatistas e xenofóbicas foi realizado no plenário da Câmara Municipal de São Paulo. Na abertura, o líder do PT na Casa, vereador Alfredinho, lembrou o pedido de intervenção militar feito por manifestantes que, no último sábado, participaram de um protesto pelo impeachment da presidente Dilma, em São Paulo.

“A democracia é tão boa que, se não fosse ela, nem esses que pregam a volta da ditadura poderiam se expressar”, afirmou o vereador, que ainda contou um episódio em que sofreu discriminação por ser nordestino. “Eu sou nordestino, com muito orgulho. Admiro os que vieram para cá e venceram e admiro os que continuam lá, vencendo lá”, continuou Alfredinho.

A cerimônia, intitulada "Somos todos brasileiros, somos todas brasileiras: A favor da democracia contra o preconceito e a discriminação", foi aberta com uma intervenção poética, seguida de apresentação do músico e poeta Téo Azevedo e, ainda, coral de crianças indígenas. Também foi convidado o ator Sérgio Mamberti, que afirmou, em discurso, que as ideias separatistas são “uma herança do processo autoritário”.

“Não aceitamos retrocesso, não aceitamos essa visão separatista. Estamos há anos tentando construir um País mais justo. Não podemos esquecer que tivemos uma prefeita nordestina, Luiza Erundina, que teve uma atuação marcante. Também não podemos esquecer nosso presidente nordestino, Luiz Inácio Lula da Silva. Hoje, o que nos une aqui é o repúdio a qualquer tipo de discriminação”, afirmou Mamberti.

Também estiveram presentes na cerimônia o deputado estadual Adriano Diogo (PT) e o presidente da Câmara, vereador José Américo Dias (PT), que voltou a lembrar do protesto do último sábado. "É a matéria-prima da aglutinação de uma extrema-direita no Brasil”, disse Américo.

A manifestação que pediu intervenção militar no País também foi tema do discurso do secretário municipal de Direitos Humanos da Prefeitura de São Paulo, Rogério Sotilli. “Nosso avanço democrático não pode ser colocado em risco por movimentos pequenos e sem expressão. Mas precisamos ficar atentos. Não podemos esquecer que esse ódio do período eleitoral não é algo novo, é fruto da cultura de violência da ditatura”, afirmou o secretário.

Fonte: Portal Terra

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais