Em SP, Haddad reajusta salários de servidores da Saúde e da Educação

Compartilhar

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), encaminhou à Câmara Municipal projeto de lei que reajusta em até 86% os salários dos profissionais municipais da Saúde. Ao todo, mais de 30 mil servidores serão beneficiados com  a iniciativa. Há alguns dias, aumentos também foram concedidos aos professores

“Nós não poderíamos descuidar do que mais importa na área da Saúde, que é a questão dos recursos humanos”, afirmou o petista ao encaminhar a proposta.

O reajuste será progressivo, com 19% concedidos imediatamente e o restante até 2016. Os iniciais R$ 7.066,43 para médicos com jornada de 40 horas passam, já em 2014, para R$ 10 mil. Em 2016, a remuneração será de R$ 12 mil. Os profissionais em fim de carreira poderão ganhar até R$ 20 mil.

“O projeto visa, principalmente, suprir a carência nas periferias, onde faltam profissionais devido aos rendimentos pouco atrativos”, diz o líder do PT,  vereado Alfredo Cavalcante.

“É um projeto justo, que valoriza principalmente os profissionais de nível técnico e oferece salários maiores para quem quer entrar na carreira”, completa.

Haddad tem realizado iniciativas importantes que vão desde à valorização do funcionalismo público até a implementação de órgãos de controle.

Realizações - Recentemente, concedeu reajuste aos professores do município em valores 24 por cento acima dos recebidos pelos professores estaduais. O aumento também ficou 77 por cento acima do piso nacional para a categoria. Com isso, o salário inicial de um docente em São Paulo passou de R$ 2,6 mil para R$ 3 mil.

Em outras frentes, o prefeito criou as secretarias de Direitos Humanos, da Igualdade Racial e de Política para as Mulheres, reativou nove conselhos temáticos, como os de Saúde, Educação e Habitação e reuniu no Conselho da Cidade de São Paulo moradores de rua e empresários da construção civil para um amplo debate sobre a ocupação dos espaços da cidade.

O petista articulou, ainda, vários órgãos de governo na criação da “Operação Braços Abertos”, por meio da qual dependentes de drogas foram encaminhados para pensões e tratamento clínicos. Implementou as vias exclusivas para os ônibus e as ciclofaixas, democratizando a mobilidade urbana.

Para combater ilegalidades, criou a Controladoria Geral do Município, que desvendou, dentre outros, um esquema de corrupção milionário de aprovação e emissão de alvarás para edifícios.

Em sua gestão, também foi criado o comitê Juventude Viva, que reúne 25 gestores orientados para os jovens das periferias, principalmente negros. Com o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), do governo federal, pretende garantir alimentos de qualidade para as escolas e colaborar para a produção da agricultura familiar.

“É um prefeito que tem planos de ação muito amplos”, defende Cavalcante, ao lembrar que há a previsão de inauguração de mais quatro hospitais na cidade.

Fonte: Agência PT de Notícias

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais