Prefeitura de São Paulo realiza seminário internacional de políticas sobre drogas

Compartilhar

A Prefeitura de São Paulo realiza nesta quinta-feira (13) o Seminário Internacional de Políticas sobre Drogas com objetivo de fomentar a reflexão sobre novos conceitos e políticas de recuperação e tratamento de pessoas com uso problemático de drogas. O prefeito Fernando Haddad apresentou nesta manhã na abertura do evento a experiência do programa “De Braços Abertos”. O encontro acontece no Braston Hotel São Paulo e inclui a participação de especialistas do Canadá, Holanda e Uruguai, que vão apresentar práticas bem sucedidas de reinserção social e redução de danos.

“O Braços Abertos abriu uma discussão no Brasil sobre diversidade do acolhimento, do atendimento e da abordagem. Como nós pegamos o caso mais crítico, ficou mais fácil de entender. O ensinamento extrapola a questão da drogadição, vai repercutir em toda a rede social de proteção, em função da educação do olhar. Estamos olhando diferente o problema, enxergando outras coisas que não se via porque a visão estava bloqueada por preconceito e pela distância”, afirmou Haddad.

No seminário, o coordenador do "De Braços Abertos", Maurício Dantas, e gestores responsáveis pelas áreas de Assistência, Saúde, Trabalho e Direitos Humanos fazem um balanço do programa, apresentando resultados, desafios e perspectivas. Iniciado em janeiro deste ano, o programa “De Braços Abertos” oferece moradia em sete hotéis, três refeições diárias, oportunidade de emprego com renda de R$ 15 por dia, além de tratamento contra o vício com acompanhamento.

“O êxito se deve ao envolvimento do prefeito, à transversalidade das ações e à participação da sociedade civil desde o começo. O objetivo do evento é discutir o programa, realizar o intercâmbio com experiências exitosas de outros países”, disse o secretário Rogério Sotilli (Direitos Humanos e Cidadania). Também integraram a cerimônia de abertura os secretários Luciana Temer (Assistência e Desenvolvimento Social), Roberto Porto (Segurança Urbana), Artur Henrique (Desenvolvimento, Trabalho e Empreendedorismo) e o secretário adjunto Paulo Puccini (Saúde).

Braços Abertos

Segundo a assessora especial de Políticas Públicas sobre Drogas e organizadora do seminário, Maria Angélica Comis, o programa é uma iniciativa intersetorial e intersecretarial. Para ela, o "De Braços Abertos" diferencia-se das ações anteriores empreendidas na região conhecida como Cracolândia, “pois o foco não é a abstinência do usuário problemático e sim a garantia de direitos violados como oferta de trabalho, moradia e alimentação”. O seminário é uma oportunidade para a troca de experiências entre cidades que estejam desenvolvendo ações sobre o tema.

“Trabalho com jardinagem e estou agradecendo uma oportunidade de vida. Estamos resgatando pessoas perdidas na rua, no meio das drogas. Seguimos lutando para a melhoria de todos que estão lá”, contou João Bosco Maciel, um dos beneficiários do programa que participou da abertura do seminário.

Ao focar na reinserção social, no tratamento integral e na recuperação do indivíduo aliada à reintegração social, o Programa "De Braços Abertos" aproxima-se de práticas humanizadas que se mostraram bem sucedidas em diversas cidades do mundo. O seminário abordará estas práticas na mesa Experiências Internacionais em Políticas sobre Drogas, que contará com a presença de referências mundiais no assunto. Uma delas é a canadense Liz Evans, fundadora da PHS Community Services Society, que coordenou por 20 anos em Vancouver, Canadá, serviços inovadores em redução de danos como as salas de uso assistido de heroína e os leitos de desintoxicação comunitários. Também participam da mesa Raquel Peyraube, assessora da Secretaria Nacional de Drogas do Uruguai e do Instituto de Regulação e Controle da Cannabis; e Marcel Buster, pesquisador do Serviço de Saúde Pública de Amsterdã, Holanda. Haverá ainda a apresentação de boas práticas realizadas por outros atores do poder público e do terceiro setor que atuam em diferentes territórios da capital paulista.

 

O Seminário Internacional de Políticas sobre Drogas é uma realização da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania (SMDHC) e do Conselho Municipal de Políticas sobre Drogas e Álcool (COMUDA), e conta com o apoio da Área Técnica de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas do Ministério da Saúde (DAET/SAS/MS); da Secretaria Nacional de políticas sobre Drogas do Ministério da Justiça (SENAD/MJ); e da Secretaria Municipal de Relações Internacionais e Federativas da Prefeitura de São Paulo (SMRIF).


Confira a programação completa abaixo:

8h – Credenciamento

9h – Cerimônia de abertura

10h – Mesa de Abertura: “Política municipal sobre drogas: o Programa ‘De Braços Abertos’ – desafios, perspectivas e resultados”

Com: Maurício Dantas, coordenador do Programa ‘De Braços Abertos’; Cristina Viscome, representante da Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social; Maria Angélica Comis, representante da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania; Myres Cavalcanti, representante da Secretaria Municipal da Saúde; Sônia Casemiro, representante da Secretaria Municipal do Desenvolvimento, Trabalho e Empreendedorismo; e Airton Marangon, representante da Secretaria Municipal de Cultura.

12h30 – Almoço

13h30  – Mesa: “Experiências internacionais em políticas sobre drogas: boas práticas no Canadá, Uruguai, Holanda e nas Nações Unidas”

Com: Liz Evans, co-fundadora do PHS Community Services Society (Canadá); Raquel Peyraube, médica especialista em uso problemático de drogas, diretora clínica do Eiceers, assessora da Secretaria Nacional de Drogas (Uruguai); Marcel Buster, Serviço de Saúde Pública de Amsterdã; e Roberta Ataídes, escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC).

Mediação: Aldo Zaiden, psicanalista, conselheiro do Conselho Nacional de Políticas sobre Drogas e ex-Coordenador Nacional de Saúde Mental e Combate à Tortura pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República.

15h30 – Coffee break

16h – Palestra: Experiências em redução de danos no Município de São Paulo e região

Com: Isabela Umbuzeiro, Centro de Convivência É de Lei; Nairton Pereira, Prefeitura de São Bernardo do Campo; Tatiana Helena Silva, Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) Capela do Socorro; Moacyr Miniussi Bertolino Neto, República Terapêutica Infanto-Juvenil de Mauá; e Luiz Antonio da Silva, Rede Estadual de Saúde Mental (Ecosol).

Mediação: Maria Angélica Comis, assessora especial de Políticas Públicas sobre Drogas da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania

18h30 – Encerramento 

Fonte: Prefeitura de SP -  Secom

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais