Cidade cinza nunca mais: SP terá um dos maiores corredores de grafite da América Latina

Compartilhar

Quanto mais arte, menos cinza! É por isso que dezembro já vai começar colorido para o Centro da maior metrópole do Brasil.

A partir da primeira semana do mês que vem, a avenida 23 de Maio, em São Paulo (SP), ganhará intervenções urbanas com grafites em mais de 70 muros da avenida, entre o Terminal Bandeira e a passarela Ciccilio Matarazzo, em frente ao Museu de Arte Contemporânea (MAC), antigo Detran. 

São mais de 200 artistas na produção de 15 mil m² de murais com arte urbana na capital paulista. O objetivo da iniciativa, realizada pela Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal de Cultura, é que o projeto se torne um dos maiores corredores de grafite da América Latina, ficando a frente dos murais da Copa do Mundo, na zona leste da cidade, atualmente o maior. A previsão é que o projeto seja concluído entre o fim de janeiro e início de fevereiro. 

Para garantir a segurança dos grafiteiros durante o trabalho, a Prefeitura de São Paulo irá auxiliar os artistas por meio da Guarda Civil Metropolitana (GCM), além de garantir ainda a limpeza dos muros, ampliação da iluminação e corte de grama com a Coordenação das Subprefeituras e a Secretaria Municipal de Serviços.

Para a organização do trânsito durante a grafitagem dos artistas, o apoio será da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET). O secretário da Cultura, Juca Ferreira, e um grupo de grafiteiros fazem a curadoria do projeto.

O grafite é uma das principais formas de arte e expressão das juventudes urbanas ao redor do mundo: uma maneira artística e inclusiva de ocupar os espaços urbanos e ressignificar a cidade. No entanto, nem sempre o poder público respeita o grafite. Em São Paulo, por exemplo, vigorava, desde 2008, uma política completamente contrária à grafitagem. A ordem era recobrir muros grafitados com tinta cinzenta. O documentário "A Cidade Cinza" retrata bem essa política totalitária e a resistência de artistas, como OsGemeos, Nunca e Nina  e movimentos sociais.

Graças à pressao popular, de artistas e movimentos sociais da cidade, além da forma de governar do prefeito Fernando Haddad, essa política de limpeza urbana mudou. Hoje, a realidade é diferente e é possível observar uma galeria de arte urbana a céu aberto pelas ruas da cidade.


 

Fonte: Site Muda Mais

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais