IPTU em São Paulo: entenda como funciona

Compartilhar

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) considerou legal a lei (15.889/13) que alterou a cobrança do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) na capital paulista. A proposta da gestão de Fernando Haddad havia sido aprovada no ano passado na Câmara Municipal, mas estava suspensa desde o dia 11 de novembro de 2013, por conta de uma ação movida pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e o PSDB.

A cidade tem pouco mais de 3 milhões de contribuintes no IPTU, entre comércios e residências. Com a nova lei, um terço de todos os contribuintes da cidade passarão a ser isentos do tributo. A prefeitura ampliou as faixas de isenção para aposentados e o valor-base mínimo para que um imóvel seja tributado passará de R$ 90 mil para R$ 160 mil.

Dos 2,6 milhões de contribuintes que pagam IPTU residencial, 40% serão isentos em 2015. Outros 320 mil (12%) terão redução do imposto. Cerca de 133 mil munícipes (5%) terão aumentos de até 10%. E 240 mil (9%) terão reajustes de até 15%. O valor arrecadado do aumento do IPTU – cerca de R$ 800 milhões – será utilizado para financiar políticas públicas.

Pela nova lei, haverá uma cobrança progressiva dos imóveis que estiverem ociosos. O objetivo da medida é orientar o uso racional e adequado do espaço urbano, evitando a especulação e a degradação de regiões que têm infraestrutura.

Como no ano de 2014 a lei estava suspensa, o IPTU deste ano foi lançado somente com atualização segundo a inflação (5,6%).  Agora, com a lei considerada válida, a prefeitura informa que a administração municipal decidiu enviar um projeto de lei que perdoa qualquer pagamento adicional em 2014, a fim de não prejudicar contribuintes pela discussão judicial sobre a questão. Para os contribuintes que deveriam ser isentos ou teriam redução do seu IPTU em 2014, a prefeitura fará a compensação ou restituição dos valores pagos a mais.

Imóveis desocupados
Áreas superiores a 500 metros quadrados e que tenham pelo menos 60% da sua área construída desocupada há mais de um ano devem apresentar projeto, em prazo de até um ano, para parcelar o terreno, realizar obras e colocá-lo em uso, em até cinco anos. A medida busca combater a especulação imobiliária e baratear o valor de apartamento e aluguéis, além de ocupar os imóveis do Centro.

Se nada for feito, a prefeitura poderá dar início à cobrança do IPTU com aumentos progressivos anuais. Exemplo: um imóvel que hoje paga alíquota de 2%, se for ocioso, passará a pagar 4%, valor que pode alcançar o teto de 15%.

Quem tem menos, paga menos
A lei utiliza a Planta Genérica de Valores (PGV), fator usado para calcular o valor venal dos imóveis, para calcular o imposto. Com a proposta, aumentou o número de contribuintes que terão descontos, em especial das regiões periféricas. No Parque do Carmo e Cidade Líder, o valor cairá mais de 17%. Itaquera, Pirituba, Freguesia do Ó, Jaguaré, Casa Verde e Jabaquara, entre outros, também vão pagar menos. Já em bairros com maior infraestrutura, como Brás, Sé, Jardim Paulista, Moema e Itaim Bibi, os reajustes serão maiores.

iptu sp 2015

Últimos artigos

Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais
Rui Falcão: As alternativas do PT para a Previdência
segunda, 13 março 2017, 19:03
  Em meio às manifestações contra o desmonte da Previdência (e foi notável a reação das mulheres no 8 de março, dia de luta também contra o conservadorismo e a violência), abre-se agora o debate sobre qual a melhor tática... Leia Mais