Haddad inaugura monumento em homenagem aos mortos e desaparecidos do regime militar

Compartilhar

A cidade de São Paulo ganhou na tarde desta segunda-feira (8) um monumento em homenagem aos mortos e desaparecidos durante os 21 anos de regime militar (1964 a 1985), instalado na entrada do Parque Ibirapuera, na zona sul. Com seis metros de altura por 12 metros de cumprimento, a obra desenhada pelo arquiteto Ricardo Ohtake é formada por chapas brancas e uniformes com os nomes de 436 pessoas de todo o país vítimas da ditadura. Outras chapas disformes representam as diferentes trajetórias dos resistentes.


Além ficar próximo de equipamentos públicos utilizados na repressão, como o Doi-Codi localizado na Rua Tutóia, o Ibirapuera também recebe quase 100 mil turistas por dia aos fins de semana, chamando a atenção para a obra. “Acho muito importante que no parque mais visitado da cidade tenhamos um monumento que nos lembre aqueles que lutaram pela liberdade e pela democracia. Acho que é o primeiro monumento do gênero no país, com os nomes de todos os mortos e desaparecidos até para fazer justiça ao sentimento dos brasileiros”, afirmou o prefeito Fernando Haddad.


Na cerimônia de inauguração, estavam presentes Clara Charf, viúva de Carlos Marighella, além de Vera e Maria Lúcia Paiva, parentes de Rubens Paiva. Os dois líderes políticos foram mortos durante a ditadura. “É muito importante que essa chama de liberdade seja acesa permanentemente para que nos lembremos do que são as trevas e afastá-las definitivamente das possibilidades históricas do Brasil. O país não merece outra ditadura”, disse o prefeito.


Realizada no marco dos 50 anos do golpe de 1964, a ação vai ao encontro de uma antiga demanda dos familiares de mortos e desaparecidos políticos e militantes do tema de sinalizar os sítios de memória que marcam a história da resistência. O projeto-executivo do monumento, produzido pela arquiteta Anna Ferrari, foi aprovado pelos diversos órgãos municipais, estaduais e federais que autorizam intervenções urbanas na cidade.


“Os 21 anos não se encerraram. Temos resquícios da ditadura e do autoritarismo ainda presentes, de forma sofrida e doída, na nossa população e nossa sociedade. Por isso, nós precisamos de muitos mais monumentos. Precisamos guardar o que cada um de vocês, familiares, lutadores que dedicaram a vida para que a gente pudesse encerrar esse processo que foi a ditadura no nosso país.  Que a gente possa preservar para os que não viveram e para as futuras gerações”, afirmou a ministra-chefe da Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência, Ideli Salvatti.


“Esse monumento é um marco histórico, mas é um compromisso de que essa luta contínua, porque a Comissão Nacional da Verdade não irá trazer a resposta de onde estão esses corpos [desaparecidos], de quem os matou e responsabilizar aqueles que mataram. Por isso, acho que essa luta e esse compromisso continuam”, disse a militante Maria Amélia de Almeida Teles, a Amelinha, que junto com sua família foi presa e torturada durante o regime militar.


Ricardo Ohtake, responsável pelo desenho da obra, também é autor do primeiro monumento a lançar luz sobre o tema, instalado no Cemitério Dom Bosco, em Perus, onde foi encontrada a vala clandestina com mais de mil ossadas de desaparecidos políticos, em 1990.“Ao me convidarem para apresentar o monumento, possibilitaram que colocasse na obra, a luta travada durante a ditadura e que resultou no assassinato e desaparecimento de 436 brasileiros que defenderam a democracia e cujo os nomes estão escritos no monumento”, disse Ohtake.


A iniciativa é da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania, por meio da Coordenação de Políticas de Direito à Memória e à Verdade, e tem como objetivo estabelecer marcos de memória que simbolizem a luta pela democracia na cidade, como previsto na meta 64 do Programa de Metas. A instalação da obra integra as ações do Segundo Festival Direitos Humanos – Cidadania nas Ruas, que será realizado entre 8 e 12 de dezembro como parte das comemorações pelo Dia Internacional dos Direitos Humanos, celebrado no dia 10.


“Com tantos logradouros e equipamentos públicos que ainda nos remetem a anti-heróis da ditadura, fica latente que nossa cidade carece de marcos que valorizem as vidas desses militantes, duas trajetórias e suas memórias”, afirmou o secretário municipal de Direitos Humanos e Cidadania, Rogério Sottili.


Também participaram do evento os secretários municipais Wanderley Meira (Verde e Meio Ambiente), Cesar Callegari (Educação) e a vice-prefeita, Nádia Campeão.

Fonte: Prefeitura de São Paulo - Secom

Crédito da Foto: Fernando Pereira - Secom

Últimos artigos

Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais
Rui Falcão: As alternativas do PT para a Previdência
segunda, 13 março 2017, 19:03
  Em meio às manifestações contra o desmonte da Previdência (e foi notável a reação das mulheres no 8 de março, dia de luta também contra o conservadorismo e a violência), abre-se agora o debate sobre qual a melhor tática... Leia Mais