Câmara de SP aprova criação de cargo de obstetriz na rede municipal

Compartilhar

A Câmara de São Paulo aprovou na tarde de quarta-feira (17) o projeto de lei que cria o cargo de obstetriz (parteira) na rede pública da capital.

Esses profissionais atualmente não podem trabalhar em postos de saúde, hospitais municipais nem na Casa de Parto de Sapopemba, na zona leste de São Paulo. O projeto, que vai agora para a sanção do prefeito Fernando Haddad (PT), permite que a obstetrizes e a enfermeira obstetra possam prestar concursos públicos já a partir do próximo ano.

Atualmente, as obstetrizes atendem em hospitais particulares onde são credenciadas, hospitais estaduais e na Casa Angela, uma casa de parto localizada na zona sul de São Paulo, que é gerida por uma ONG. Obstetrizes têm curso superior e estudam quatro anos e meio e é somente voltado para atenção ao parto e saúde da mulher.

O curso de obstetriz na USP Leste, por exemplo, começou em 2005 e já são cerca de 250 profissionais formados.

Recentemente, o Instituto Nacional de Saúde e Excelência Clínica do Reino Unido (NICE, na sigla em inglês) concluiu que é mais seguro para mulheres saudáveis com gestações de baixo risco dar à luz com parteiras do que com médicos. Segundo o estudo, os médicos são muito mais propensos do que as parteiras a usar intervenções como fórceps, raquianestesia e cesarianas – procedimentos que carregam maiores riscos para a mãe e o bebê.

Ao instituir a Rede Cegonha, em 2011, o Ministério da Saúde prevê a criação nos ambientes hospitalares chamados de CPN (Centros de Parto Normal). Esses locais seriam destinados a parturientes de baixo risco que teriam seus partos normais, humanizados e atendidos por obstetrizes e enfermeiros obstetras. Como já acontece em vários países, como Inglaterra e Austrália, os médicos só são acionados em caso de complicações e cesáreas com real indicação.

O projeto teve 29 votos a favor e oito contrários. Os vereadores Eduardo Tuma (PSDB), coronel Telhada (PSDB); Aurélio Nomura (PSDB); Gilson Barreto (PSDB); Gilberto Natalini (PV); Mário Covas Neto (PSDB); Andrea Matarazzo (PSDB) e Toninho Vespoli (PSOL) foram contra o projeto de lei. Ricardo Young (PPS) foi o único parlamentar que se se absteve da votação.

Além da aprovação do cargo de obstetriz, o projeto de lei também cria o quadro de analistas na administração, institui plano de carreiras, readequa os cargos e funções do quadro de pessoal de nível superior, bem como estabelece sistema de remuneração por subsídio. O projeto de lei foi aprovado com substitutivo proposto pelo Executivo.

 

Fonte: Giovanna Balogh, no blog Maternar

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais