Fernando Haddad fala sobre a lógica do MPL e o ‘caipirismo’ do PSDB em entrevista ao DCI

Compartilhar

 

O prefeito Fernando Haddad concedeu entrevista ao DCI- Diário Centro do Mundo veja a entrevista ao veículo abaixo:

O prefeito de São Paulo Fernando Haddad recebeu o DCM para uma entrevista em seu gabinete no antigo Edifício Matarazzo, no Viaduto do Chá.

Sem gravata, terno preto com camisa branca, o inconfundível cabelo dividido ao meio, Haddad falou sob o impacto de um novo protesto do Movimento Passe Livre, ocorrido no dia anterior. Para ele, o MPL prefere o “tudo ou nada” a uma negocição gradual. Haddad fez um balanço de seus dois anos de governo, falou do polêmico convite feito a Gabriel Chalita (PMDB) para a secretaria de educação e de seu relacionamento com Marta Suplicy, sua possível adversária em 2016.

A seguir, os principais trechos da conversa.

A nomeação de Gabriel Chalita 

Acho que as pessoas se surpreendem com o convite por não prestarem atenção aos desdobramentos e aos eventos históricos. Minha relação com o Chalita começou antes de eu ser ministro. Participamos da reforma educacional do governo federal.

Naquele momento, o PSDB se comportava de forma suprapartidária. Os projetos eram considerados de estado, não de governo. O Chalita teve um papel fundamental como mediador de conflitos com o pensamento conservador em proveito de uma agenda mais avançada.

Na campanha para a prefeitura em 2012, aquele que perdeu apoiou quem ganhou. Foi visto como natural pela população que o Chalita me apoiasse — ou vice-versa, se ele tivesse passado para o segundo turno. Isso me deu a vitória. É uma relação de dez anos. Já era boa quando ele estava no PSDB. Valorizo nele essa capacidade de interlocução.

Não foi indicação do Lula. Aliás, aconteceu o contrário… Chalita e eu comunicamos ao Temer e ao Lula esse desejo. Em se tratando de uma aproximação desta natureza, eu achei de bom tom que o ex-presidente ficasse ciente e opinasse. Os dois saudaram a aproximação, que foi vista como um ganho para a educação.

Marta Suplicy

Minha primeira função pública foi na gestão da Marta. Adorei ter participado da experiência. Nos dois primeiros anos fui testemunha do esforço que foi feito para valorizar a educação. Participei da equipe que fez os CEUs. Sempre nos demos muito bem.

Sempre foi uma relação muito respeitosa — até aqui, pelo menos. Gosto muito das pessoas envolvidas nessa história [a ruptura de Marta com o PT] para dar uma opinião sobre a atitude dela.

Os protestos do Movimento Passe Livre 

Os prefeitos todos do Brasil estamos na mesma situação. Todos querem ampliar a gratuidade da tarifa. Sou o primeiro a reconhecer a questão do transporte.

Mas, em março de 2013, portanto 70 dias antes do primeiro protesto daquele ano, defendi a municipalização da Cide, tributo que incide sobre a gasolina. Foi na Folha. Falei que a Cide [sigla para Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico] deveria ser municipalizada para dar aos prefeitos a condição de adotar uma política mais agressiva de modicidade tarifária.

Imaginava naquele momento que aquilo fosse ensejar um debate sobre tarifa. Não vou transferir recursos de saúde e educação.

Para minha surpresa, quando o MPL esteve com a presidenta Dilma, entregou uma carta defendendo a minha tese de março. Infelizmente, parece ter abandonado essa bandeira. Daria para os prefeitos do Brasil uma perspectiva de, sem prejudicar saúde, educação, poder criar um mecanismo para mexer na tarifa.

É possível ampliar os direitos gradualmente. Sem radicalizar. Mas a tática deles é claramente binária: ou levo tudo ou não levo nada. Ou você me dá 100% do que estou pedindo ou você é meu inimigo.

Não esperava essa postura do MPL, sobretudo de pessoas que têm uma bagagem para entender o que é a intolerância. A intolerância não é de esquerda. É um fundamentalismo que eu lamento. O Charlie Hebdo é vítima do infeliz crescimento dessa intolerância que cresce no mundo. Nós devemos cerrar fileira com aqueles que são comprometidos com as causas libertárias.

O prefeito é o elo fraco da federação. Houve uma reconcentração de recursos públicos na esfera da União que começou no governo Fernando Henrique. Tem havido um esforço para mudar.

O custo do transporte é de 6 bilhões de reais por ano. Imaginar que você possa abrir mão desse recurso de uma hora para outra é complicado.

Ciclovias

A mudança de paradigma veio para ficar. Uma vez que a malha viária é a mesma e a ideia de túneis e viadutos se provou um fracasso do ponto de vista urbanístico, qual é a alternativa para a mobilidade? O conceito está estabelecido mundialmente: transporte público, ciclovias, respeito ao pedestre. De um ponto de vista da transversalidade: como isso dialoga com saúde pública, com causas ambientais e com causas sociais. Uma agenda transversal.

Li um estudo recente sobre a saúde dos ciclistas amadores, impressionantemente melhor que a dos sedentários. A saúde do usuário de transporte público também é melhor que a do cara que usa só o carro. Você precisa caminhar até a estação de metrô ou o ponto.

Se os 400 quilômetros de ciclofaixas estiverem prontos até o final deste ano (ele entregou 170 por enquanto), multiplica por 1 metro e meio, a largura de uma ciclovia, e estamos falando de 600 mil metros quadrados — 40% do parque Ibirapuera. Ou seja, você está tirando muito pouco para o impacto todo que estamos tendo.

Ninguém vai ousar remover essas ciclovias. Faixas de ônibus são a mesma coisa. No ano passado, parecia que o mundo ia acabar. Fui acusado de falta de planejamento, falta de tudo…

O trânsito aumentou de 2011 para 2012 14,8%; de 2012 para 2013, 7,8%; de 2013 para 2014, 2,8%, segundo a CET. A cidade se acomoda de outra maneira. Obviamente que o preconceito, o dogmatismo, a intolerância falam alto. Fica mais fácil esbravejar nas rádios do que fazer a conta do que realmente acontece de bom.

Um professor de esquerda

A maioria da população apoia as iniciativas e quem fala nos meios de comunicação não são as pessoas para as quais essas políticas são forjadas. O cara que só critica não dialoga com o mundo moderno, com a contemporaneidade.

O jogo eleitoral é muito pesado. Eu não sou nada além de um professor de esquerda. Um professor de esquerda, filho de imigrantes, chegar a ministro da educação e a prefeito de São Paulo é difícil de engolir para muitas pessoas. É difícil assimilar. Quando você faz algo que eles poderiam ter feito e nunca fizeram, fica um ressentimento. “Como você ousou fazer uma obviedade dessas?” Tem uma coisa psicanalítica nisso, que transcende a política.

Convivência

O Brasil tem um resquício escravocrata. É um país de presente escravocrata. Agora nós democratizamos as oportunidades. Não havia democratização das oportunidades. Isso mudou, o que significa que brancos terão que conviver cada vez mais com negros, ricos com pobres etc, como aliás acontece na Europa, nos Estados Unidos etc. Algumas pessoas vêem isso como ameaça. Ameaça, na verdade, é uma sociedade desigual como a nossa. O que ameaça o mundo desenvolvido é a desigualdade. Isso põe em risco a democracia. O risco à democracia não é só cultural e ideológico. É material. Isso é o que nós não queremos admitir.

Viva o centro  

É crescente o número de lançamentos no centro. E ele ainda vai crescer. Mais construtoras vão se interessar pela região. A reforma que nós vamos fazer no Anhangabaú vai dar uma cara boa pro centro.

Acho que iniciativas como a ciclovia do Minhocão, as praias urbanas, a desfavelização do Largo de São Francisco… tudo isso está mudando o lugar. Praticamente não havia praças sem barraco. Fizemos uma limpeza sem expulsar ninguém. Sem higienizar. Estamos fazendo coleta de lixo aos domingos. Eu tinha uma ideia de que o centro não tinha gente nesse dia. Pois nós tiramos 100 toneladas de lixo aos domingos.

Rolezinho

Tenho o hábito de passear no centro aos domingos. Vou com o motorista. Eu vou trabalhar às vezes de ônibus, de metrô ou de bicicleta. Gostaria de ir mais, só que o ajudante de ordens não deixa… Eu falo “não precisa ninguém me acompanhando”. “Mas se ninguém te acompanhar vai ficar ruim pra nós”, eles dizem.

Estamos pensando em fazer visitas guiadas de bicicleta para as pessoas terem uma primeira experiência estética com o grafite. Pode ser uma porta de entrada para a arte para essas pessoas. Vai ser a primeira galeria de arte de rua com visita guiada no mundo.

O humor do paulistano e o ‘caipirismo’ do PSDB

São Paulo é uma montanha russa de humor. Tudo influencia tudo. Uma volubilidade muito grande. Por isso, se você tem um projeto para a cidade, execute e se dê por satisfeito.

Por exemplo, eu aprovei um Plano Diretor que é considerado pela ONU um dos mais avançados do mundo. Aprovamos a renegociação da dívida com a União que vai trazer uma redução do estoque de 26 bilhões de reais. São êxitos poucos podem dizer que vão alcançar.

São Paulo tem condições de reassumir o protagonismo no Brasil, condição que perdeu nos últimos 20 anos. Não existe cidade do mundo do tamanho de São Paulo que não interaja com o governo central. Essa crítica do excesso de dependência do governo federal é mais uma amostra do caipirismo que tomou conta do PSDB. O PSDB era um partido antenado com o que acontece no mundo. Hoje é o partido mais caipira do Brasil. Ou melhor, provinciano — porque eu gosto dos caipiras. Lamentável que o PSDB tenha chegado aonde chegou.

O PSDB e a judicialização da política 

Eu esperava muitas coisas quando candidato. O que não estava no meu horizonte é a judicialização da política. O PSDB entra na Justiça por qualquer coisa.  Costumo dizer que o ditado “a justiça tarda, mas não falha”, no caso da política, está errado: a justiça tarda e falha. Política é tempo.

Fonte: DCI

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais