Carnaval de Rua terá mais de 300 blocos nas regiões de SP

Compartilhar

A população da capital e os turistas terão 300 blocos de rua para brincar o Carnaval de 2015. Os detalhes da estrutura preparada para os desfiles, que vão acontecer em 27 subprefeituras, foram apresentados pela Prefeitura de São Paulo nesta quinta-feira (29) em coletiva de imprensa. Serão 900 banheiros químicos (que serão utilizados em 6.000 diárias durante o período dos desfiles), 21 postos médicos e 83 diárias de ambulância de remoção e de UTI. Trabalharão nos dias de desfile 2.400 agentes de limpeza, 900 agentes de trânsito, 600 guardas civis, 150 agentes vistores e 70 equipes de apoio das subprefeituras.


“O nosso Carnaval é público, aberto e é um processo que tem surgido espontaneamente na cidade e tem hoje uma dimensão muito significativa. Tem aqueles que participam, tem aqueles que não participam. O nosso objetivo é garantir que estrutura para quem quer participar e criar as condições para quem não participa também possa ter o seu descanso e usufruir da cidade”, afirmou o vereador Nabil Bonduki, nomeado secretário municipal de Cultura.


As subprefeituras com maior concentração de blocos são Sé (86), Pinheiros (67), Lapa (22), Mooca (16), Butantã (13) e Freguesia do Ó/ Casa Verde (13). Segundo a Secretaria de Cultura, a ideia é estimular que as festas sejam descentralizadas, ocorrendo em bairros de todas as regiões.


As datas com mais desfiles são 7 e 8 de fevereiro e o feriado de Carnaval, entre os dias 14 e 18 de fevereiro. Nestas datas, Prefeitura também irá promover um baile de carnaval no Largo da Batata, em Pinheiros, cuja programação será divulgada na próxima semana. A relação completa de blocos e desfiles será disponibilizada em guias impressos e pela internet, no site Carnaval de Rua.


Em 2015, serão disponibilizadas aos foliões 6.157 diárias de banheiros químicos, sendo 172 banheiros acessíveis a pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida. Em 2014 foram 200 a 300 diárias. O número de postos médicos foi quintuplicado, de quatro para 21.


O planejamento foi realizado a partir do diálogo com os organizadores dos blocos, com associações de moradores, 14 secretarias municipais e com a Polícia Militar. Foi pactuado com os organizadores dos blocos que os desfiles deverão acontecer somente até as 22h, com a dispersão no máximo até meia noite. A festa será monitorada por uma Central de Operações com todos os órgãos envolvidos.


Segundo o presidente da Autoridade Municipal de Limpeza Urbana (Amlurb),Silvano Silvério, as ruas afetadas receberão coleta de lixo em horários diferenciados e haverá instalação de lixeiras para o público. A operação de limpeza envolverá recolhimento de lixo, lavagem das ruas com água de reuso e coleta seletiva.


A passagem dos blocos terá apoio da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), que atuará na sinalização, bloqueio de ruas e proibição temporária de estacionamento. As áreas que receberão mais atenção são Vila Madalena, Praça Roosevelt, na região central, Praça Silvio Romero, no Tatuapé, a rua Augusta, o Largo do Cambuci e as avenidas Faria Lima, Paulo VI, Alvinópolis e Eliseu de Almeida. O transporte coletivo será acompanhado por 378 funcionários da São Paulo Transporte (SPTrans).


Na infraestrutura para o Carnaval serão investidos R$ 4 milhões, sendo R$ 500 mil patrocinados pela Caixa Econômica Federal. De acordo com o secretário para Assuntos de Turismo e presidente da SPTuris e da SPNegócios, Wilson Poit, o Carnaval de Rua da cidade tem alto potencial turístico. “No ano passado dobrou a permanência dos turistas na cidade nessa época. Este ano, o Observatório do Turismo vai fazer pesquisas, que usaremos para vender o nosso Carnaval”, disse Poit. A ideia é atrair patrocinadores que invistam na infraestrutura da festa. Segundo a SPTuris, o Carnaval de 2014 movimentou R$ 60 milhões na cidade.


Histórico

A organização do Carnaval de Rua paulistano se iniciou em 2013, com um processo de descriminalização dos blocos e facilitação das licenças para os desfiles. “Foram três diretrizes: organização territorial com as subprefeituras, a criação de banco de dados compartilhado com todas as informações e autorização centralizada para os blocos, que antes tinham que pedir licenças a 15 órgãos”, disse o secretário municipal de Cultura em exercício, Guilherme Varella.


A partir do cadastro voluntário das entidades e da troca de experiências com outras cidades do Brasil e do mundo, foi desenvolvida uma regulamentação própria e ações de infraestrutura. O cadastro voluntário gera também informações para todos os órgãos públicos envolvidos na organização, como o número esperado de participantes, percurso planejado e dias de desfile. A adesão ao cadastro aumentou: em 2013 cadastraram-se 60 blocos e em 2014 foram 200.


Em fevereiro de 2014, foi publicado um decreto para regulamentação dos desfiles de Carnaval de Rua. O documento determina as atribuições de cada uma das secretarias, indica os dias em que os eventos poderão ocorrer e determina que a participação nas festas deve ser gratuita e livre. Segundo a Secretaria de Cultura, este ano o decreto terá alguns aprimoramentos, como a proibição de carros de som ou trios elétricos com altura superior a quatro metros. As alterações serão publicadas nos próximos dias no Diário Oficial.

Fonte: Prefeitura de SP- Secom

 

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais