Haddad capacita município ao combate à corrupção

Compartilhar

 

A implantação de uma estrutura administrativa e de mecanismos de estado para combate à corrupção, procedimento que notabilizou a gestão do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva já nos seus primeiros anos de mandado na presidência, ganhou no prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), sua mais nova tradução.

O ex-presidente Lula implantou a Controladoria-Geral da União (CGU) e o Portal da Transparência ainda nos dois primeiros anos de governo (2003 e 2004). De um simples departamento, a CGU ganhou estrutura ministerial para enfrentar a corrupção, enquanto os gastos tornaram-se visíveis ao público por meio da internet.

Haddad acaba de conseguir aprovar, na Câmara de Vereadores do município de São Paulo, a criação de mais 300 cargos na prefeitura de São Paulo para estruturar e capacitar os dois principais órgãos que cuidam da tarefa de enfrentamento à corrupção no funcionalismo público da cidade: a Controladoria-geral do Município (CGMSP) e a Secretaria Municipal de Gestão (SMG).

O reduzido quadro funcional dessas instituições oferece pouca flexibilidade operacional às políticas públicas contra os desvios de conduta. A Controladoria, criada durante gestão de Haddad, tem apenas quatro funcionários, por exemplo.

Ambas instituições vão ganhar, por meio de concurso público, 200 analistas de políticas públicas e 100 auditores fiscais. Ao encaminhar o projeto, no ano passado, Haddad alegou necessidade de “reestruturação da administração pública”.

A autorização para realização do concurso foi aprovada pelos vereadores por 32 votos a favor, sete contra e uma abstenção, em votação realizada na quarta-feira (25)

O investimento para contratação dos “superfiscais” de Haddad será de R$ 24,5 milhões anuais, um esforço do Tesouro municipal que pode obter ampla compensação se a qualificação dos recursos humanos das instituições alcançarem o sucesso esperado na contenção de desvios de dinheiro e pagamento de propinas. O salário dos analistas será de R$ 13,9 mil, enquanto dos fiscais, de R$ 21,3 mil.

Fonte: Agência PT

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais