Para Padilha, Haddad tem acertado em decisões e chegará forte em 2016

Compartilhar

 

O secretário de Relações Governamentais da prefeitura de São Paulo, Alexandre Padilha, disse hoje (13), em entrevista à Rádio Brasil Atual, que as manifestações deste domingo contra o governo e a presidenta Dilma Rousseff mostraram que conjuntura política muda rapidamente e a disputa de 2016, na sua opinião, pode surpreender quem aposta na derrota do prefeito Fernando Haddad na disputa pela reeleição. “Muita gente apostava que as manifestações de ontem teriam o dobro de pessoas de um mês atrás, e aconteceu o contrário. A conjuntura muda. Qualquer pessoa que quiser fazer projeções sobre o que vai acontecer em 2016 provavelmente vai fazer apostas erradas.”

Ex-ministro da Secretaria de Relações Institucionais (2009-2011) e da Saúde (2011-2014), Padilha atribui o otimismo a dois fatores. Em primeiro lugar, porque Haddad "está dando passos concretos para ter uma coalizão ampla e uma base de partidos” sólida para sustentar o governo.

O secretário não adiantou possíveis novos acordos, mas disse que a nomeação do peemedebista Gabriel Chalita em janeiro deste ano, para a secretaria de Educação, faz parte desse movimento. No caso de Chalita, a intenção foi menos ampliar e mais evitar eventuais reflexos das dificuldades com o partido do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), no plano federal.

Padilha também sustenta sua crença em uma reversão do quadro em São Paulo, foco das maiores manifestações contra Dilma no país, no fato de que “o terceiro ano de mandato é o ano em que as coisas acontecem”. Para o secretário, o primeiro ano (em que o prefeito trabalha com orçamento definido na gestão anterior) e no segundo (com eleições nacionais), as dificuldades para concretizar prioridades e obter recursos afetam a gestão.

Em 2015, diz o secretário, Haddad deve garantir os recursos do PAC para dois grupos de obras: corredores de transporte (com 11 novos corredores) e obras para prevenção de enchentes, com canalização dos córregos da Paciência (zona Norte) e Aricanduva (Leste), onde haverá um parque linear. Padilha também aposta que a renegociação da dívida dos municípios, aprovada no Congresso, engordará os cofres da prefeitura.

Para ele, apesar das dificuldades e de Haddad enfrentar oposição cerrada dos setores conservadores da capital, “o prefeito deixou claro que toma as iniciativas que pautam a cidade”. Segundo ele, ter adotado o transporte público como prioridade e ter instituído “a proteção ao ciclista” são exemplos de iniciativas que marcam a gestão, além do diálogo com organizações de jovens na periferia. “O prefeito vai chegar a 2016 muito forte, na relação política e nas ações de governo.”

Sobre a entrada da ex-prefeita Marta Suplicy no cenário das próximas eleições municipais, possivelmente pelo PSB, Padilha é diplomático. “Tenho respeito pela história da ex-prefeita. Mas tenho certeza de uma coisa: quando começa a eleição, fica mais claro em que partido as pessoas estão, quais são os apoios. O prefeito vai chegar em 2016 com os aliados históricos, que sempre estiveram do nosso lado em São Paulo e que estarão com Haddad.”

Fonte: Rede Brasil Atual

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais