Segurança do público é destaque na Virada Cultural 2015

Compartilhar

 

O secretário municipal de Cultura, Nabil Bonduki, acompanhado pelo comandante da Polícia Militar, coronel Reinaldo Zychan, e do inspetor da Guarda Civil Municipal (GCM), Gilson Guimarães, concedeu uma coletiva na tarde deste domingo (21) para apresentar os dados preliminares sobre a Virada Cultural 2015. Juntas, as autoridades destacaram o sucesso na questão da segurança durante o evento, que ofereceu mais de 1.500 atrações gratuitas durante 24 horas.

De acordo com os dados da Polícia Militar compilados até às 16h, não foram registradas ocorrências graves. Em 2014, sete pessoas foram feridas por disparos de armas de fogo e quatro tiveram lesões ocasionadas por facas.

“O que nós sentimos foi uma sensação de segurança muito maior do que nos últimos anos. Isso se deve ao planejamento, ao trabalho da Polícia Militar e da Guarda Civil Metropolitana” afirmou Nabil Bonduki.

Em relação às pequenas ocorrências registradas, neste ano 73 pessoas foram detidas por tráfico de drogas, furtos, roubos e outros crimes contra o patrimônio público. Em 2014, foram registradas 128 detenções. O resultado se deu após um trabalho de colaboração envolvendo Prefeitura, Polícia Militar e a Secretaria Estadual de Segurança Pública.

“O grande mérito da Virada Cultural deste ano é que os destaques ficaram no caderno de cultura e entretenimento e não ficaram no caderno policial. Durante todo o período nós tivemos uma operação bastante tranquila”, disse o comandante Zychan.

Os dados registrados pela GCM também mostram avanços na ação para a estruturação da segurança. Os números finais de todas as áreas envolvidas serão divulgados após uma apuração final.

“Eu acredito que a Virada de 2015 tenha sido a mais segura. Nós tivemos um efetivo de 2.310 homens com 338 viaturas”, afirmou Guimarães. Até às 16h, a guarda registrou apenas pequenos delitos, como uma agressão, uma apreensão por droga e um roubo de celular.

Após a sua apresentação no Vale do Anhangabaú, o rapper Dexter também elogiou o comportamento do público. “As pessoas chegam no palco do rap ouvir rap e elas fazem tudo que o rap pede. Não tem briga, é índice zero de treta. Eu estou no palco e fico olhando. O segurança não precisou fazer nada”, disse.


Público

Nabil acredita que o público presente tenha sido semelhante aos últimos anos, com menos pessoas durante a madrugada e a maior parte durante o dia, devido ao clima: “A estimativa de público nós vamos precisar de mais tempo para fazer uma avaliação precisa, mas eu diria que do ponto de vista comparativo, o público não foi menor do que nos outros anos e ele teve variações ao longo dos períodos. O fato de temos tido uma madrugada fria fez com que tivesse um número menor de pessoas e o fato de ter um dia de sol tivéssemos um número maior”, disse.

Bonduki também destacou a diversidade do evento: “Essa Virada Cultural teve um excelente resultado do ponto de vista cultural. Nós tivemos uma diversidade muito grande. Quem teve a oportunidade de circular pela cidade ontem e hoje deve ter visto espetáculos maravilhosos, sob vários pontos de vista, com muita cidadania cultural também. Não eram só os grandes espetáculos que reúnem muita gente, mas também muitas manifestações de pessoas que também estão fazendo cultura, embora não sejam artistas renomados”, afirmou.

Neste ano, a parceria com a Secretaria Municipal de Promoção da Igualdade Racial possibilitou que a Virada contasse com palcos espalhados por diversos pontos da cidade e com a presença de cantores populares. A ação ocorreu para descentralizar o evento e assim alcançar um número maior de pessoas.

Para o secretário, o público que acompanhou as atrações pôde ter mais qualidade e conforto durante as apresentações. “Nem sempre um bom espetáculo você precisa ter uma superlotação onde as pessoas sequer conseguem ter acesso ao evento. Todo espetáculo tem um certo número bom de pessoas. Não precisa necessariamente superlotar para ser bom. A nossa intenção foi ter de fato opções para as pessoas participarem da Virada e terem um melhor resultado dela”, afirmou.


Show com Caetano Veloso encerra a Virada

Em uma apresentação que lotou a Praça Júlio Prestes, região central, o cantor Caetano Veloso encerrou as apresentações no palco Júlio Prestes cantando sucessos de seu repertório no início da noite de hoje. O show transcorreu sem ocorrências graves.

“A Virada realmente me surpreendeu. Eu não ia vir, mas assim que soube que o Caetano viria eu me programei, pois há muito tempo ele faz parte não só da minha vida, mas da nossa história”, disse Maria dos Anjos, que estava acompanhada pelo marido, Antônio, com quem é casada há 32 anos.

Fonte: Prefeitura de SP - Secom

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais