Para Haddad, PT dá enorme contribuição para democracia e direitos sociais

Compartilhar

Em entrevista ao jornal “Folha de S. Paulo”, publicada nesta terça-feira (4), o prefeito Fernando Haddad (PT) afirmou que a sigla petista tem muita vitalidade e vai superar esse momento delicado com transparência.

“O PT tem muita força, talvez seja o único partido que não é a expressão de seus únicos dirigentes, mas a expressão social que construiu esse ideário”, ressaltou Haddad.

Questionado sobre possível desgaste do partido, o prefeito destacou o trabalho “impecável” da Prefeitura de São Paulo no combate à corrupção. Para Haddad, o PT deu uma “enorme” contribuição para a democracia e para os direitos sociais.

“Penso que as pessoas deveriam enxergar desta maneira. Também não desejo para o PSDB, como instituição, um desgaste que o coloque a perder sua história, sua trajetória. Estamos falando de 1,5 milhão de filiados”, declarou o prefeito.

Haddad garantiu que não pretende mudar de legenda. “Alguém da sua família comete um delito, você vai trocar de sobrenome?”, questinou. Ele lembrou que o Papa Francisco não deixou de ser católico ao assumir a fragilidade da Santa Sé.

“Não é porque o momento é delicado que você renuncia toda uma história, senão é um pouco fácil demais”, destacou o prefeito.

Gestão – Haddad também falou sobre como a imprensa trata a sua administração. Para o prefeito, o pressuposto de parte da mídia, sobretudo de algumas emissoras de rádio e TV, é atacar a administração da Prefeitura.

“É uma frente de ataque a todas as medidas da Prefeitura, independente do mérito”, ressaltou o prefeito.

O petista esclareceu que em sua administração há mais discussões com a sociedade do em épocas passadas. Ele também lembrou que a maioria de suas propostas foi discutida durante as eleições, como as faixas exclusivas para ônibus, ciclovias, moderação do tráfego.

“É curioso você ser cobrado por estar cumprindo uma agenda com a qual você se comprometeu. Está havendo uma inversão da democracia”, explicou o prefeito.

Sobre a redução da velocidade nas marginais Tietê e Pinheiros, Haddad refutou a previsão da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). A organização alegou que a medida resultaria em caos, com uma onda de arrastões na volta às aulas.

“Poxa, o jornalismo tem que fazer o contraponto. Melhorou. Não estou vendo nem caos nem arrastão”, declarou o prefeito.

Fonte: Redação da Agência PT de Notícias, com informações do jornal Folha de S. Paulo

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais