'Não podemos recuar neste momento', diz presidente do PT de São Paulo sobre ataques

Compartilhar

Depois da invasão da sede do diretório municipal do PT na madrugada de hoje (17), em São Paulo, o vereador Paulo Fiorilo, presidente do diretório, disse que a sequência de episódios de violência contra a legenda é “inadmissível”. O parlamentar afirma ainda que não é momento para recuo e que a militância petista não deve se amedrontar.

 

“É preciso ter coragem, e, mais do que coragem, clareza de que não podemos recuar neste momento”, afirmou à RBA. “Que continuem usando as camisetas vermelhas. Não podemos ficar calados diante do que está acontecendo. Ao contrário, temos que mostrar que este país mudou, porque tivemos administrações petistas e continuamos tendo”, disse.  “É fundamental que continuemos fazendo as transformações que eles, que administraram este país ao longo de muitos anos, nunca fizeram. Nós estamos fazendo.”

 

Na opinião do vereador, parcela da população não está entendendo a gravidade de um momento em que a legenda sofre ataques, e seus militantes são ameaçados e hostilizados nas ruas. “Está se criando um clima de medo e terror que acaba inibindo as pessoas de se manifestarem pró-PT”, protesta. “As pessoas não estão percebendo que por trás disso pode-se estar gerando um ódio muito grande contra petistas.”

 

Segundo Fiorilo, nada foi furtado do diretório municipal, o que não torna o ato menos grave. “Não levaram nada, mas é inadmissível que esses fatos ocorram com frequência envolvendo o PT. É preciso que se apure e que os responsáveis sejam punidos, para que se continue tendo respeito às leis, ao Estado de direito. Está muito difícil, estamos vivendo um clima muito tenso e preocupante.”

 

Este é o quarto episódio de ataque contra o partido em 2015. O primeiro foi em 15 de março, com ataque ao diretório regional do partido em Jundiaí, no interior de São Paulo. Onze dias depois, uma bomba foi lançada contra o prédio do diretório zonal da agremiação no centro de São Paulo. No dia 30 de julho, o Instituto Lula foi alvo de uma bomba de fabricação caseira atirada de um carro.

 

Ontem (16), dia de manifestações contra o governo da presidenta Dilma Rousseff, movimentos sociais organizaram no Ipiranga (zona sul), onde fica o Instituto Lula, um ato político de desagravo. Nove dias antes, o prédio recebeu um "abraço" simbólico, com a presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

 

Fonte: Rede Brasil Atual

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais