Em SP, corredor municipal tem melhor avaliação que metrô

Compartilhar

Pesquisa realizada entre usuários de transportes públicos da região metropolitana de São Paulo indica aumento da insatisfação com a qualidade dos serviços administrados pelo governo Geraldo Alckmin – e pelo PSDB, desde 1999 –, como trens e metrôs.

Uma linha de ônibus gerenciada pela prefeitura de São Paulo – o corredor São Mateus/Jabaquara – se destacou como “única melhoria sensível” no sistema de transporte sob gestão governamental.

É o que afirma reportagem do jornal “Folha de S. Paulo”, publicada neste sábado (22). Essa avaliação foi apurada em consulta a 3,3 mil usuários por pesquisa da Associação Nacional de Transportes Públicos (ANTP).

O corredor, que conquistou o reconhecimento depois das intervenções promovidas na gestão do prefeito petista Fernando Haddad, teve 75% de aprovação (67% na avaliação anterior).

Com um terço da frota que opera 13 linhas formado por silenciosos veículos elétricos, tem 33 km de extensão entre as zonas Leste e Sul da capital e corta Mauá, Santo André, São Bernardo do Campo e Diadema. A operação é da concessionária privada Metra.

Para o público, o metrô peca pela crescente superlotação e atrasos nas obras de expansão. Não seria problema se não houvesse um amplo descasamento entre o crescimento da demanda por metrô e da expansão da rede de linhas para atendimento à população.

“Em dez anos, a rede do metrô cresceu 36% e os usuários, 92%. Quase todas as obras do governo Alckmin estão atrasadas”, constata a reportagem.

O governo Alckmin acaba de adiar por pelo menos dois anos o prazo para conclusão de obras de ampliação da linha 4 (amarela), devido a rompimento com consórcio contratado um ano atrás, enquanto a linha 5 (lilás) tem previsão de ficar pronta só em 2.018.

O setor de transportes de São Paulo também vem sendo alvo de intensas investigações policiais devido ao escândalo de pagamento de propinas do Trensalão, envolvendo membros de diferentes administrações tucanas.

Com apenas dois anos completos de governo, correspondentes a menos de 10% do tempo do tucanato no poder, a pesquisa indica que as políticas públicas de Haddad para a mobilidade urbana começam a colher reconhecimento do público.

E não apenas pela avaliação positiva do corredor. Nessa semana, um balanço da Companhia de Engenharia de Trânsito (CET) indicou que houve uma redução de 30% nos acidentes no primeiro mês da redução da velocidade (para 50% nas faixas locais) nas marginais (Tietê e Pinheiros) – exatamente como planejado pelo prefeito.

A proposta de redução da velocidade está sendo ampliada para toda a cidade pela Secretaria Municipal da Transportes.

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais