#GestãoHaddadPT: Programa Saúde na Escola beneficia 1,6 milhão de crianças em dois anos

Compartilhar

 

Implementado pelo município a partir de 2013, o Programa Saúde na Escola já beneficiou mais de 1,6 milhão de estudantes de 1.502 escolas municipais e estaduais da cidade de São Paulo nos últimos dois anos. Somente no ano passado, 907.944 alunos foram assistidos pelos 800 profissionais engajados na ação, lançada em 2007 pelo governo federal, e que tem como objetivo oferecer atendimentos, em especial os voltados à prevenção de doenças e à promoção da saúde, auxiliando no aprendizado dos estudantes e evitando problemas maiores no futuro das crianças.

“Às vezes, um pequeno problema, como uma alergia, oftalmológico, odontológico, um pequeno distúrbio ou a criança tem alguma distração, podem ser diagnosticados com rapidez, e aquela criança que ia ser considerada atrasada do ponto de vista da idade, série, ou com déficit de aprendizagem, com um pequeno auxílio do poder público consegue se desenvolver normalmente”, disse o prefeito Fernando Haddad, que participou na tarde desta quinta (1º) da abertura do I Encontro Municipal do Programa Saúde na Escola, na sede da Associação Paulista de Cirurgiões-Dentistas (APCD), na zona norte.

Por meio da ação dos profissionais do Saúde na Escola, os estudantes fazem, por exemplo, avaliação antropométrica, verificação da situação vacinal, intervenções de saúde bucal, testes do reflexo vermelho, exame oftalmológico, além de identificação de agravos de saúde negligenciados, com a detecção precoce de dengue, tuberculose, esquistossomose e outras que afetam principalmente as crianças mais vulneráveis. 

“Quem sente uma dor de cabeça, cada um que está aqui, se tiver em um curso de capacitação, não vai lembrar da aula e do aprendizado. Muitas vezes, a criança descobre que tem um problema de visão dentro da própria escola. Os professores são os primeiros a desconfiar. Muitas das doenças prejudicam o desempenho escolar e a criança de aproveitar o período em que está na escola para se desenvolver e se qualificar cada vez mais”, afirmou o secretário municipal de Saúde, Alexandre Padilha.

As ações do programa contam ainda com a promoção da alimentação saudável, da cultura de paz, orientações das saúdes mental e reprodutiva, além de campanhas de prevenção contra Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST). O Saúde na Escola oferece ainda ações de prevenção ao uso de álcool e drogas, prevenção de acidente e violência, promoção da saúde ambiental e das práticas corporais com atividades físicas.

“Todos esses caminhos nos ajudam a ter um olhar para a educação que vai além da habilidade cognitiva propriamente dita e além daquelas operações que a gente tem de aprender em matemática, português, história e geografia. Vai na construção de uma pessoa que sabe cuidar de sua saúde, cuidar do meio ambiente, ter bons hábitos e, melhor, vai ensinar os pais a também fazerem isso”, disse o secretário municipal da Educação, Gabriel Chalita. 

O estudante Jeferson Pereira, de 12 anos, tinha dificuldades de ler as lições escritas pelos professores nos quadros negros e apresentava dificuldades de aprendizado. Com o apoio do programa, passou por avaliação e foi encaminhado para um exame oftalmológico em uma Unidade Básica de Saúde (UBS) na região onde mora, Vila Bela, na zona leste. Nesta quinta, ele recebeu seu óculos das mãos do prefeito Haddad.

“Antes estava difícil para aprender. Não enxergava o que a professora colocava na lousa. Agora está fácil e vou poder ainda aprender mais”, disse.

Como parte das atividades da ação Saúde em Movimento, implementada pela Secretaria Municipal de Saúde com o objetivo de melhorar o acesso dos paulistanos aos serviços oferecidos, durante o encontro desta quinta também foi apresentado o primeiro Documento Norteador, que irá subsidiar o trabalho dos profissionais que atuam no Saúde na Escola. 

“[Na época da construção do programa em nível federal] A Educação queria, já que viriam ações de promoção e prevenção, que as crianças pudessem ser atendidas sempre que necessário. Já a Saúde tinha a aspiração de levar o tema da promoção e prevenção para dentro da escola. No fim, o programa conseguiu conciliar as duas coisas e isso é o sucesso dele”, afirmou a primeira-dama e coordenadora da política municipal para a primeira infância, São Paulo Carinhosa, Ana Estela Haddad.

Fonte: Prefeitura de SP - Secom

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais