Gestão Haddad: Renegociação da dívida permite R$ 1 bi a mais de investimentos

Compartilhar

A renegociação da dívida de São Paulo com a União é a grande conquista do município, em termos econômicos, para o próximo ano. O acordo com o Governo Federal permitirá que a capital paulista tenha cerca de R$ 1 bilhão a mais para investimentos e outros gastos.

O Projeto de Lei (PL) 538/2015, do Executivo, que estima a receita e fixa a despesa da cidade para 2016, já incluiu esse valor na peça orçamentária em tramitação na Câmara Municipal de São Paulo. “Essa é uma conquista gigantesca para o município, porque abre a oportunidade para novos investimentos com esse dinheiro que antes era utilizado para pagar uma dívida que não era amortizada”, sinalizou o presidente da Comissão de Finanças e Orçamento, vereador José Police Neto (PSD).

Para o vice-presidente do colegiado, vereador Paulo Fiorilo (PT), a renegociação da dívida é uma das principais vitórias da gestão do prefeito Fernando Haddad. “O orçamento, em que pese a situação do país, está equilibrado e isso será fundamental para que as  metas sejam cumpridas e se consiga entregar aquilo que foi proposta pelo prefeito”, declarou o parlamentar.

Responsável pela Secretaria de Finanças e Desenvolvimento Econômico, Rogério Ceron de Oliveira explicou que essa renegociação beneficiará o município já no curto prazo. “Esse R$ 1 bilhão possibilitará mais investimentos para diversas políticas públicas. Essa conquista é fundamental, porque antes pagávamos a dívida e ela só aumentava, agora teremos a redução do endividamento o que permitirá novas operações de crédito para investimento. A cidade toda ganhou com isso”, esclareceu.

O acordo de renegociação permitiu que a dívida de São Paulo com a União caísse de R$ 64,8 bilhões para R$ 28 bilhões. No entanto, como a Lei Complementar 148 ainda não foi regulamentada pela presidente Dilma Rousseff, a prefeitura obteve uma liminar para pagar em juízo as parcelas da dívida, forçando a aplicação das novas regras estipuladas pela nova medida – em vez do IGP-DI (Índice Geral de Preços-Disponibilidade Interna) mais juros de 9% ao ano, passa a valer o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) mais juros de 4% ao ano.

“Sendo assim, a média paga de janeiro a março foi de R$ 314 milhões. De abril até setembro, o valor foi de R$ 200 milhões. Esses recursos pagos a menos, consequentemente, passam a ter novas destinações”, sinalizou Rodrigo Mantovani Policano, da Consultoria Técnica de Economia e Orçamento da Câmara. Para o próximo ano, acrescentou o consultor, as parcelas pagas pela prefeitura deverão ser de cerca de R$ 235 milhões.

Para Policano, a mudança de indexador é importante, principalmente na atual situação econômica. “O IGP-DI é um índice volátil e tem sido maior porque ele é bastante sensível a variação do dólar. Já o IPCA é mais estável. Neste momento, mais do que nunca, a aplicação desse índice é melhor”, disse.

 

Fonte: Kátia Kazedani da Redação da Câmara Municipal de SP

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais