PT já demonstrou ter grande ‘capacidade de resiliência’, diz Haddad

Compartilhar

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), saiu em defesa do partido pelo qual foi eleito para governar a maior cidade do País. Em entrevista ou jornal “Folha de São Paulo”, ele disse que o PT já demonstrou ter grande capacidade de se adaptar e evoluir positivamente diante das adversidades.

A declaração foi feita em resposta à jornalista Mônica Bergamo, que o questionou sobre o futuro da legenda.

“O PT ajuda a organizar a agenda política do país, as demandas e ajuda a dar racionalidade ao processo político. Vai ser muito ruim para a direita não ter o PT”, afirmou.

Sobre casos de corrupção envolvendo figuras do partido, Haddad falou que “nada supera o exemplo”. Segundo ele, durante os governos dos presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff os ministérios e a administração direta sofreram investigações de órgãos que o PT criou ou deu autonomia para investigar, como a Controladoria Geral da União, a Polícia Federal e o Ministério Público.

“Não criamos a mesma governança no plano das estatais e isso vai ter que ser feito”, ressaltou.

O prefeito falou também sobre estar à frente do executivo da maior cidade do Brasil e poder mostrar que é possível administrar uma metrópole desse porte.

“Até o final do meu mandato vamos cumprir 100 das 123 metas. O restante depende do repasse do governo federal e assim que o sinal verde for dado daremos curso a esses empreendimentos”, anunciou.

Haddad falou sobre a falta de oportunidade dentro da imprensa para defender sua gestão. “A imprensa aponta as deficiências. E as qualidades? Onde aparecem? Ainda mais agora com candidatos ligados a grupos de comunicação”, disse se referindo a Luiz Datena, apresentador da TV Bandeirantes, e Celso Russomano, da TV Record.

Quando o petista assumiu a prefeitura da cidade de São Paulo a dívida consolidada era “impagável”, no entanto, com uma gestão financeira “impecável” nos três anos de mandato, a cidade alcançou a nota de crédito AA+ no grau de investimento concedido pela agência de classificação de risco Fitch Rating.

“Superamos problemas dos precatórios, renegociamos a dívida com a União, criamos uma secretaria de combate à corrupção e mandamos para a Câmara a a reforma da Previdência”, explicou.

Na época, o prefeito disse que essa nota tornava a cidade ainda mais atrativa para os investidores interessados em participar de projetos em parceria com o município, tais como projetos de PPPs e de concessões públicas. “É um marco para a história recente da cidade e abre um novo capítulo em suas finanças”.

Fonte: Agência PT de Notícias

Últimos artigos

Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais
Rui Falcão: As alternativas do PT para a Previdência
segunda, 13 março 2017, 19:03
  Em meio às manifestações contra o desmonte da Previdência (e foi notável a reação das mulheres no 8 de março, dia de luta também contra o conservadorismo e a violência), abre-se agora o debate sobre qual a melhor tática... Leia Mais