Enquanto Alckmin quer fechar escola, Haddad vai levar ensino integral para 100 mil estudantes

Compartilhar

 

No mesmo momento em que os estudantes secundaristas estão ocupando diversas escolas estaduais para protestar contra a reorganização de Alckmin que pretende fechar 94 escolas, a Prefeitura de São Paulo abriu consulta pública para debater com a população a implementação do turno de educação integral para 100 mil alunos da rede municipal a partir de 2016.

A ação da administração municipal mostra que o modelo petista não só quer investir mais em educação, bem como está pronto para o diálogo e quer ouvir a população.

Com a medida, após a publicação da portaria no Diário Oficial da Cidade (DOC), os cidadãos poderão fazer críticas e sugestões para o programa São Paulo Integral, que pretende ampliar a jornada de cinco horas/aula diária para sete horas/aula diária, mesclando no currículo disciplinas como português, matemática e história com atividades esportivas e culturais.

A consulta pública vai até 30 de novembro.

Desde que o prefeito Fernando Haddad assumiu a prefeitura, com a adesão da cidade ao programa Mais Educação do Governo Federal, 72 mil crianças já estão matriculadas em 367 escolas do município que recebem educação em tempo integral.

A ideia é que, após o período de participação popular, a portaria com as regras do programa seja readequada e publicada no dia 7 de dezembro, para que as escolas interessadas façam a inscrição até o dia 20 do mesmo mês. A adesão da escola será definida dentro do conselho de cada unidade, formado por pais, mães, alunos, professores e diretores, que optarão em prosseguir com a jornada comum ou avançarão para a integral.

O programa São Paulo Integral avança em relação à base curricular desses alunos.“O Mais Educação é um programa de dois turnos, mas é voluntário. Em geral, o contraturno também não faz parte do currículo da escola. Ele é um complemento. Esse projeto de Educação Integral é diferente, pois, apesar de ser por adesão, depois que a escola aderiu passa a ser curricular e obrigatório para os alunos matriculados”, explicou o prefeito Fernando Haddad.

“O mais importante (para aceitar a adesão da escola) será a demanda atendida na região. Se uma escola não tem condição de ofertar o ciclo de alfabetização em 100%, ela não tem condição de aderir e automaticamente fica excluída, esperando melhorar essa oferta. Além da demanda atendida e da aprovação no conselho, a escola tem que ter espaços suficientes para isso. Portanto, não será uma decisão do diretor ou do assistente de direção e sim do conselho da escola, que na consulta pública definirá os termos da portaria”, esclareceu o chefe de gabinete da Secretaria Municipal da Educação, Marcos Rogério de Souza.

A expectativa é que já no ano letivo de 2016, 12 escolas tenham educação integral para todos os alunos do primeiro ao nono ano do Ensino Fundamental e outras 100 unidades implementem a nova jornada para o chamado Ciclo de Alfabetização, do primeiro ao terceiro ano. De acordo com o prefeito, o investimento será de R$ 68 milhões para 2016.

A adesão da unidade escolar ao São Paulo Integral trará benefícios não só aos pais e alunos, mas também ao professor. “É uma grande vantagem para o professor, pois ele pode ter uma melhora na sua condição salarial. Trabalhamos com a possibilidade, em um futuro próximo, quando crescer essa opção nas escolas da cidade, de muitos professores que acumulam dois cargos poderem se dedicar apenas a um, já que a jornada estará melhor e a remuneração também. Há um componente de valorização muito forte”, disse Souza.

“A escola também será beneficiada, pois de acordo com as atividades que proporcionará aos seus alunos, a unidade receberá recursos para melhorias. Hoje, a escola que adere ao Mais Educação recebe verba do Governo Federal. Nossa ideia é preservar essa verba e também criar condições para que a escola possa fazer a adesão. Por exemplo, se uma escola oferecer os três primeiros ciclos no São Paulo Integral, talvez ela precise de um parquinho diferente, então a Prefeitura poderá disponibilizar recursos diretos para que ela monte esse parquinho. São elementos de adesão muito importantes”, afirmou Rogério de Souza.

Fonte: Imprensa PT-SP, com informações da Prefeitura de São Paulo

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais