Gestão Haddad faz nota de esclarecimento sobre reportagem de O Estado de S. Paulo

Compartilhar

 

 

Com relação à reportagem "Haddad usa prédios particulares para inflar meta de moradia popular" (A22, 29/11/2015), O Estado de S. Paulo distorce fatos divulgados de forma transparente pela administração municipal na tentativa de confundir o leitor a respeito do avanço da política habitacional da cidade.

1. A meta da atual gestão é a produção de 55 mil unidades de habitação de interesse social, para fazer frente ao déficit estimado de 230 mil moradias. Em nenhum momento a meta se refere exclusivamente a obras públicas. De fato, todas as informações sobre o avanço da política habitacional são divulgadas no site Habisp Plus, com detalhes, características, georreferenciamento e situação de todas as unidades contabilizadas na meta, o que desqualifica as alegações de "maquiagem" ou "pedalada".

2. O estímulo à produção de Habitação de Interesse Social (HIS) ocorre por várias formas de atuação da Prefeitura. Como exemplos disso, aprovou o novo Plano Diretor Estratégico, que duplicou as áreas em Zonas Especiais de Interesse Social (ZEIS) na cidade e criou a Secretaria Municipal de Licenciamento, responsável também pela aprovação de empreendimentos de HIS. Desde janeiro de 2013, foram licenciadas 40.819 novas unidades de HIS na cidade, e processos que antes tardavam 5 anos agora são realizados em um ano.

3. Desde 2013, a administração municipal garantiu terreno para 128.224 unidades habitacionais. Desse total, 8.348 moradias foram entregues, 23.140 estão com obras em andamento, outras 16.306 com obras prestes a serem iniciadas (ou seja, têm projeto e terreno aprovados e aguardam o lançamento do MCMV3 do governo federal) e 80.430 em fase de elaboração ou aprovação de projeto. Pela Secretaria Municipal de Habitação, mais de R$ 300 milhões já foram investidos em desapropriações para habitação de interesse social. Outros cerca de R$ 600 milhões também já foram investidos em operações urbanas.

4. No caso da habitações viabilizadas pelo MCMV do governo federal, a Secretaria Municipal de Habitação indica toda a demanda para Faixa 1 (zero a três salários mínimos). Para Faixa 2, convênios com particulares, a demanda indicada é total ou parcial. A reportagem foi informada dessa indicação parcial de demanda e omitiu essa informação da matéria, assim como omitiu as informações e esclarecimentos dados pela assessora técnica Cely Mantovani, em entrevista. Os dois empreendimentos questionados formalmente, o "You, Marajoara" e o "Residencial Van Gogh", foram,  de acordo com a Caixa Econômica Federal, financiados com renda enquadrada como faixa 2 (famílias que têm renda mensal a partir de R$ 1.600) e são, portanto, são demanda legítima do município - vide link: http://www.cohab.sp.gov.br/Noticia.aspx?Id=28.

Assessoria de Imprensa
Prefeitura de São Paulo

Últimos artigos

Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais
Rui Falcão: As alternativas do PT para a Previdência
segunda, 13 março 2017, 19:03
  Em meio às manifestações contra o desmonte da Previdência (e foi notável a reação das mulheres no 8 de março, dia de luta também contra o conservadorismo e a violência), abre-se agora o debate sobre qual a melhor tática... Leia Mais