Pesquisa revela que 43% das pessoas mortas pela polícia são jovens

Compartilhar

 

A Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania (SMDHC) divulgou na manhã desta sexta-feira (11) a pesquisa inédita “Juventude e violência no município de São Paulo”, sobre mortes causadas por ação policial na cidade. Em 2014, 43% do total de homicídios cometidos pela polícia eram de jovens entre 15 e 19 anos. O estudo foi realizado pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), com dados municipais de Saúde e Assistência e Desenvolvimento Social.

Metade das mortes cometidas por policias se concentrou em 14 distritos da cidade, com maior incidência no Jardim São Luis, Ermelino Matarazzo, São Miguel Paulista e Sapopemba. “Estou muito emocionado porque, pela primeira vez na história, a Prefeitura de São Paulo resolve abrir os dados que ela consolida há pelo menos 25 anos em relação à mortalidade do meu povo. Estou emocionado porque o meu bairro está no topo da lista. Eu moro na favela Monte Azul, no Jardim São Luís, que está no topo da lista de mortalidade na cidade”, disse Claudio Aparecido da Silva, coordenador de Juventude da SMDHC, cumprimentando os articuladores jovens que atuam há mais de um ano nos territórios mais vulneráveis da capital.

De acordo com o estudo, a vitimização de jovens pela polícia é 10,5 vezes maior que a de não jovens na cidade de São Paulo. Entre os jovens mortos, 64% são negros. “No Brasil, 52% da população é negra e parda, proporção alta. No Estado de São Paulo, essa proporção é de 40%. No município, 37%. E qual é a proporção de jovens de 15 a 29 anos negros mortos por ações da polícia? Nada menos do que 64%. Nós precisamos dialogar com a Secretaria da Segurança Pública sobre quais providências podemos tomar para alterar esse quadro”, afirmou o secretário Eduardo Suplicy (Direitos Humanos e Cidadania).

Os resultados mostram que, embora o número de homicídios tenha caído na cidade, as mortes causadas pela ação de forças policiais se mantiveram estáveis e hoje representam 21% do total de mortes intencionais no município. Os casos de homicídio contabilizaram 5.979 no ano 2000 e caíram para 1.661 em 2014, enquanto as mortes cometidas por policiais eram 327 casos e subiram para 353. A Polícia Militar foi responsável por mais de 95% das mortes cometidas por forças policiais na cidade em 2014.

A apresentação da pesquisa abriu o I Seminário Municipal de Segurança Pública e Direitos Humanos, que também contou com a presença do secretário Simão Pedro (Serviços), das secretárias-adjuntas Célia Cristina Bortoletto (Saúde) e Cristina Cordeiro (Assistência e Desenvolvimento Social), dos secretários-adjuntos Elizeu Soares Lopes (Igualdade Racial) e Guilherme Assis de Almeida (SMDHC) e do chefe de gabinete do Serviço Funerário, Fulvio Giannella Junior, além do promotor Eduardo Valério, do Ministério Público Estadual

 

Fonte: Prefeitura de SP - Secom

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais