Gestão Haddad: Crianças do Baixo Glicério comemoram ano de transformações com projetos sociais

Compartilhar

 

Cerca de 40 crianças que vivem em cortiços das ruas Sinimbu e Glicério, na região do Baixo Glicério, comemoraram na tarde deste sábado (12), na Praça das Artes, um ano cheio de mudanças, que culminou no lançamento de um livro, um vídeo, duas músicas e até um projeto de revitalização de uma praça da região feitos por elas.

Com a chegada das ações do “Criança Fala na Comunidade – Escuta Glicério”, da ONG Criacidade em parceria com outras entidades e a Prefeitura, por meio da articulação do São Paulo Carinhosa, desde março deste ano, a região degradada e pobre em pleno centro de São Paulo vem se transformando dia após dia.

“A São Paulo Carinhosa está com vocês. Está com a Criacidade e com todas as pessoas que querem fazer a vida da criança melhor na cidade, na sua casa e em todos os espaços. O nosso compromisso é que aqueles que estão chegando a vida possam ser bem-vindos”, afirmou a coordenadora da política para primeira infância e primeira dama, Ana Estela Haddad.

Por meio de ações promovidas pela ONG, que vão desde a transformação física dos cortiços, com pinturas artísticas ou mesmo a construção de uma casinha de brinquedo, até a formação de servidores públicos que atuam na região, além de passeios culturais, rodas de leitura e brincadeira, os produtos, antes sonhos dos pequenos, se tornaram realidade.

“A escuta das crianças é um pretexto para chegar na cidade que a gente acredita. Uma cidade mais humanizada, mais sustentável e mais criativa. A partir do momento que a gente transforma as ideias das crianças em ação, a gente ativa essa rede articulada e colaborativa”, disse uma das fundadoras do projeto, Nayana Brettas.  

O livro “Glicério por suas crianças”, lançado no evento, conta com um mapa afetivo, com relatos e desenhos feitos pelas crianças com locais do bairro que as identificam, como as coxinhas do Bar do Valdomiro ou ainda o Centro para Crianças e Adolescentes (CCA).

“No ato de promover o brincar, estou promovendo a saúde. Saúde não é só ações pontuais. Estou promovendo saúde quando vacino? Sim, mas para as crianças é preciso uma amplitude”, afirmou a enfermeira da Unidade Básica de Saúde (UBS) Sé, Patrícia Lino Pinheiro, que junto com a EMEF Duque de Caxias, o CEI Quintal da Crianças e Diretoria Regional de Educação (DRE) Ipiranga apoiaram a ONG em projetos voltados para as crianças, integrando suas áreas com atividades lúdicas da entidade.

O vídeo com o mesmo nome mostra as expectativas dos pequenos para o desenvolvimento da cidade de São Paulo e o que eles gostariam que fosse feito, como a ampliação do plantio de árvores e de áreas de lazer em vias públicas.

“Essa parceria só acrescentou para nós e espero que continue acrescentando por muito tempo a mais”, disse a professora de artes da EMEF Duque de Caxias, Marisa Pires Duarte.

A tarde também foi de lançamento de duas músicas, compostas por profissionais com base em falas e comentários feitos pelas próprias crianças durante o ano de projeto. Também durante o evento foi lançada uma exposição de fotografias com imagens das crianças e do bairro, com orientação de profissionais voluntários.

“Queremos um Glicério de qualidade, porque tem pessoas muito bacanas, generosas, carinhosas e queremos começar no Glicério algo que possa ecoar por toda a São Paulo”, disse o educador do projeto, José Roberto da Silva, o Beto.

Praça
Além dos lançamentos, as crianças desenvolveram um projeto arquitetônico para revitalização da Praça José Luiz de Mello Malheiro, que foi elaborado com a orientação de profissionais da consultoria de projetos sociais e urbanos Criacidade, com o apoio da Associação Fábrica da Cidadania e com a participação de estudantes de arquitetura do Centro Universitário Belas Artes de São Paulo.

Por meio de oficinas lúdicas, as crianças puderam dar sugestões do que queriam fazer na praça e quais brinquedos gostariam de brincar.

De acordo com a coordenadora do São Paulo Carinhosa, o processo para implementar as mudanças está em andamento e as áreas técnicas estão planejando medidas além da reforma praça na questão de segurança, iluminação, trânsito e transportes.

“Além de projetarem a praça, algo muito bacana que vocês fizeram foi que vocês pensaram o espaço para brincar, mas também espaço para os adultos e o papel da população de rua, sugerido por vocês para serem cuidadores do espaço. Vocês não sabem, mas o vídeo com que vocês projetaram foi para outras regiões e o que fizeram está servindo de exemplo para outras crianças pensarem tão bem quanto pensaram essa praça”, disse Ana Estela.

 

Fonte: Prefeitura de SP - Secom

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais