Por que o Carnaval de rua de São Paulo “pegou”?

Compartilhar

 

Quem mora em São Paulo ou acompanha o carnaval da cidade fica com a impressão de que o paulistano acordou para a folia de uns anos para cá. Não é bem assim. Até a gestão municipal anterior, a Prefeitura autorizava apenas um pequeno número de blocos a saírem para as ruas. Os demais eram reprimidos.

A incompreensão era tamanha que um bloco como o Acadêmicos do Baixo Augusta, que este ano reuniu mais de 40 mil pessoas e teve a atriz Alessandra Negrini como sua madrinha, chegou a ser reprimido pela Prefeitura em 2012, e sequer pôde sair às ruas, ficando confinado em um estacionamento.

Logo nos primeiros dias da atual gestão, o então secretário da Cultura e hoje ministro Juca Ferreira convocou os blocos até então proibidos que desejavam sair e liberou a rua para todos. “Nosso papel não é reprimir. Nosso papel é gerar uma infraestrutura e o sistema regulatório para garantir que a celebração do Carnaval seja aberta a todos”, disse Ferreira à época.

Ano após ano o número de blocos foi aumentando, e a estrutura fornecida pela prefeitura também. Reclamações de sujeira, falta de banheiros e excessos de pessoas praticamente inexistiram em 2016. Isto porque a Prefeitura, agora com o secretário Nabil Bonduki à frente, mobilizou uma enorme estrutura para garantir que a folia ocorra em paz e que o restante da população também seja respeitado.

A prefeitura fornece banheiros químicos, gradis, segurança e ambulâncias, entre outros. A organização começou há seis meses e envolveu 14 secretarias municipais.

Como resultado, mais de um milhão de pessoas foram aos blocos nos primeiros dez dias de festa, de acordo com estimativa da Prefeitura. O carnaval de rua já é o evento turístico mais lucrativo da cidade, ao gerar mais receita e atrair um público de fora maior do que a Fórmula 1, que até então ocupava esse posto.

Foram 139 desfiles nos dias 29, 30 e 31 de janeiro e 147 no feriado. No final de semana pós Carnaval, acontecem mais 88 desfiles, até 14 de fevereiro. Até o final da programação, a Prefeitura espera totalizar 2 milhões de foliões.

FP_Carnaval_SP_1

Carnaval SP 2016

Sem cordas ou abadás

Um dos principais diferenciais do novo carnaval de rua de São Paulo é que a participação na folia é gratuita. São proibidas cordas e a venda de abadás ou de qualquer outra vantagem ou acesso “VIP”, como acontece em outras capitais, como Salvador.

“Paulistanos podem, a custo zero, se divertir nas ruas, transformando o espaço público em lugar de festa, sociabilidade, namoro e liberdade”, disse o secretário de Cultura, Nabil Bonduki.

A política para o carnaval de rua e a atuação de Nabil são parte do projeto da gestão Haddad para o município, tornando São Paulo uma cidade em que as pessoas sejam as protagonistas do espaço público –como já acontece no caso das ciclovias, das ruas abertas à população etc.

A não cobrança em nada atrapalha a geração de renda, uma vez que hotéis, restaurantes táxis, estacionamentos, bares e toda a cadeira econômica envolvida ganham um tremendo estímulo. O Carnaval de rua já dá mais retorno à cidade até do que os desfiles no sambódromo. A SPturis, órgão municipal de turismo, estima superar a meta de arrecadação de R$400 milhões em negócios gerados pelos blocos, enquanto os desfiles oficiais devem render R$ 250 milhões.

Este ano, a prefeitura ofereceu cerca de R$ 40 milhões para as escolas de samba, blocos e cordões carnavalescos ligados à Liga das Escolas de Samba. Já os blocos independentes receberam R$ 10,5 milhões, sendo 35% verbas de patrocinadores. Em comparação com 2015, os investimentos no Carnaval de rua cresceram 66%.

Além do crescimento de 32% no número de blocos, o destaque da festa deste ano foi a descentralização das atrações. Os desfiles aconteceram por 23 subprefeituras e o número de blocos na periferia cresceu 44%. Pela primeira vez, por exemplo, a programação incluiu Sapopemba e Guaianases, na zona leste.

FP_Carnaval_SP_4

FP_Carnaval_SP_5

“É quarenta vezes mais de receita do que de despesa. A cada R$ 1,00 investido, a cidade tem R$ 40 de retorno, sem incluir o desfile”, explicou Fernando Haddad. E completa: “pessoas vieram para São Paulo e outras deixaram de sair daqui para curtir a festa. Em muito pouco tempo São Paulo será um destino turístico do Carnaval”.

“É quarenta vezes mais de receita do que de despesa. A cada R$ 1,00 investido, a cidade tem R$ 40 de retorno, sem incluir o desfile”, explicou Fernando Haddad

Nabil resume a folia paulistana: “o espírito desse Carnaval nasceu de baixo para cima, de forma espontânea, sem a paternidade e tutela do Estado”. Ou seja, o paulistano sempre gostou de Carnaval. Mas só agora a Prefeitura deixou a festa rolar.

BFF_-Desfile-do-bloco-Filhos-da-Foto-na-rua-Barao-de-Limeira-no-centro-de-Sao-Paulo-foto-Bloco-Filhos-da-Foto_201502070018

Fonte: Marcella Petrere, da Agência PT de Notícias

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais