‘País é ingovernável sem reforma política’, diz Haddad ao Brasilianas

Compartilhar
 
 
Em entrevista ao Brasilianas, prefeito levanta dois fatores que explicam as condições que criaram o processo de impeachment: política econômica e reforma política  

O prefeito da cidade de São Paulo, Fernando Haddad, que tentará se reeleger na disputa deste ano, aponta a falta de reforma política como um dos erros do seu partido nos 13 anos em que Lula e Dilma estiveram na liderança do Planalto. O afastamento dessa pauta como prioridade dos governos petistas é considerado também, por Haddad, como um dos fatores responsáveis pelo fortalecimento do processo de impeachment.   

 
 
 
Durante entrevista a Luis Nassif, apresentador do programa Brasilianas, exibido nessa segunda-feira (23), o prefeito pontuou que sem reforma política o Brasil se torna um país ingovernável defendendo como um entre dois pontos fundamentais para a reforma o fim do financiamento privado das campanhas eleitorais (já aprovado pelo Supremo Tribuna Federal). 
 
"Na verdade [antes da decisão do STF] não existia um financiamento empresarial de campanha. O que existia era uma mistura do público com o privado nessas relações de financiamento. Todos os partidos se financiaram do mesmo jeito (...), a estrutura de financiamento é a mesma para todos os partidos", salientou. 

Outra mudança apontada por Haddad como fundamental para a reforma é o fim das coligações proporcionais. A legislação eleitoral brasileira permite a união de dois o mais partidos, tanto nas eleições majoritárias (que elege para cargo de Prefeito e Vice-Prefeito) como para eleição proporcional (cargo de vereador). No sistema proporcional é possível votar tanto no candidato, diretamente, como no partido ou coligação, ao contrário da eleição majoritária, onde é permitido votar somente no candidato.
 
“Não há como governar um país com 40 partidos funcionando, o país é ingovernável dessa maneira(...) Não é correto uma pessoa votar para determinado deputado e eleger um de outra legenda que pensa o oposto daquela pessoa que recebeu o voto. Que é o que acontece no Brasil com as coligações proporcionais”, argumentou o prefeito que defende a proibição desse mecanismo. 
 
“O Congresso não aprovará a proibição, penso que é uma questão a ser levada pelo Supremo Tribunal Federal porque distorce a soberania popular como o financiamento empresarial distorcia(...) O voto na eleição proporcional não está sendo respeitado. Você vota num partido e está elegendo outro, que é o extremo oposto do primeiro. Não faz sentido”, ponderou. 
 
Segundo Haddad, esses dois pontos levantados por ele na entrevista (financiamento privado de campanha e coligação proporcional), representariam 70% da reforma política que o Brasil necessita. 
 
O segundo erro dos governos petistas, destacado pelo prefeito, e que foi determinante para a conjuntura que levou ao afastamento da presidente Dilma da presidência é a política econômica. 
 
"É evidente que desde 2013 a condução da política econômica não correspondeu ao que seria tecnicamente o mais adequado. Houve a suposição de que a crise internacional era passageira, com isso, acho que se relaxou em alguns controles importantes. Pega a questão das desonerações, dos preços administrados, os swaps [permutas] cambiais, pra citar três exemplos que a literatura já consolidou, [todos eles] só abriram um passivo difícil de resolver, sobretudo sem a volta da CPMF ou alguma alternativa a isso". 
 
Haddad observou, ainda, a atuação do Banco Central, especialmente nos últimos anos de Dilma, aplicando uma taxa básica de juros (Selic) não condizente à realidade econômica do país. 
 
“Para uma inflação projetada de 7% ter uma Selic de 14%? Com quase 4% de recessão? (...) A política monetária está corroendo o ajuste fiscal, porque tudo que você corta de despesa cai de arrecadação. Então a conta não vai fechar nunca. Penso que a saída econômica estaria em rumar pra uma alternativa pra fechar as contas [como a retomada da CPMF] e baixar a taxa de juros, num ato contínuo”, assim, completou o Haddad, o Brasil teria condições para voltar a crescer a partir de arrecadação própria, com "oxigênio necessário para transitar para um novo modelo de desenvolvimento. Como está travou, travou pela política e travou pela economia”, concluiu.  
 
Fonte:- Jornal GGN
 

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais