Gestão Haddad: Casarão histórico na Vila Guilherme abre ao público como Casa de Cultura

Compartilhar

 

 

Imóvel tombado pela Conpresp, que ficou abandonado por dez anos, foi reformado pela Prefeitura e reabre neste sábado (11) como Casa de Cultura, com extensão programação de atividades

 
 

 

Os moradores do centenário bairro da Vila Guilherme, na zona norte de São Paulo, ganharam duas ações culturais de uma única vez, a partir deste fim de semana. Neste sábado (11), a região passou a ter um novo equipamento público, a Casa de Cultura Municipal da Vila Guilherme, que levará programações de espetáculos, shows musicais, exposições e oficinas, beneficiando os 55 mil habitantes do bairro. Além disso, o serviço funciona no tradicional Casarão da Praça Oscar Silva, imóvel tombado pelo Conpresp e datado da década de 1920, que após mais de dez anos de abandono, foi reformado pela Prefeitura de São Paulo.

O prefeito Fernando Haddad visitou neste sábado (11) as instalações do novo espaço cultural e conversou com coletivos de cultura da região. "É uma casa de cultura, que o bairro não tinha. E o prédio está recuperado, um patrimônio importante da região", afirmou Haddad.

A abertura da nova Casa de Cultura promoveu durante todo o dia uma extensa programação cultural, incluindo uma feira gastronômica, instalada na praça Oscar Silva. O objetivo era convidar a população a conhecer o novo espaço. "Estamos devolvendo equipamentos que estavam degradados para o usofruto da comundidade", disse o prefeito.

Com a transferência da gestão das Casas de Cultura para a Secretaria Municipal de Cultura, o espaço agora integra a rede de equipamentos culturais administradas diretamente pela pasta. "Em todas as casas de cultura que assumimos, tivemos o cuidado de convidar os coletivos das regiões para indicar os coordenadores. É uma programação desenvolvida junto às comunidades. Aqui a casa tem espaço para uma programação do porte de centro cultural, com muitas atividades", explicou a secretária municipal Mária do Rosário (Cultura).

A abertura do equipamento era uma demanda antiga da comunidade. "Há 20 anos fazíamos reuniões na praça, aqui em frente, já reivindicando um espaço cultural. Foi uma luta durante todo o tempo que ele esteve fechado", conta Nelson Marques, um dos moradores engajados na implantação da casa de cultura.

O novo destino do casarão começou a ser traçado a partir de 2013. Com apoio dos coletivos culturais da região, que mantiveram permanente diálogo com a Subprefeitura de Vila Maria/Vila Guilherme, o Conselho Participativo aprovou sua reforma com prioridade na votação do orçamento para a região e, no final de 2015, foi iniciada a requalificação do antigo prédio, cujo investimento foi de R$ 1,5 milhão. Com isso, seus cerca de três mil metros quadrados tornaram-se um espaço cultural, com salas para atividades e esposições, além de pátios interno e externo.

História

De acordo com a Seção de Levantamento e Pesquisa do Departamento do Patrimônio Histórico, o edifício de linhas ecléticas foi construído em 1924 para abrigar o Grupo Escolar de Vila Guilherme, criado no ano seguinte. O imóvel ainda conserva suas características originais e retrata o ideal de escola de uma época, na concepção dos espaços e no uso dos materiais.

O prédio constitui exceção entre os edifícios escolares construídos no período da Primeira República. Ao contrário dos demais, o Grupo de Vila Guilherme foi construído por Guilherme Praun da Silva, proprietário do terreno e loteador da região. Por seu porte, o edifício se destacava na paisagem de Vila Guilherme, então formada por casas esparsas e ruas de terra.

Em 1947, o Grupo Escolar passou a se chamar “Afrânio Peixoto”, em homenagem ao médico, literato e político falecido naquele ano. O prédio, que pertencia ao Governo do Estado, foi desapropriado pela Prefeitura de São Paulo em 1956 e funcionou como escola até 1970. Em 1977, o antigo prédio do Grupo Escolar recebeu os escritórios da Administração Regional de Vila Maria e Vila Guilherme (atual Subprefeitura Vila Maria/Vila Guilherme), que ali funcionou até 2005.

O edifício do antigo Grupo Escolar de Vila Guilherme é bem de valor histórico e arquitetônico. Por sua integração harmoniosa com o logradouro público e construções vizinhas, também é considerado bem de valor ambiental e foi tombado pelo Conpresp pela Resolução no 10/2013.

Serviço:

Casa de Cultura Municipal da Vila Guilherme – Casarão
Praça Oscar Silva, 111 - Vila Guilherme
Horário de Funcionamento: terça a sexta, das 10h às 20h e sábado das 10h às 18h.

 

Fonte: Prefeitura de SP - Secom

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais