Gestão Haddad: Zona leste ganha campus universitário e instituto profissionalizante federais

Compartilhar

 

 

A zona leste da capital ganhou nesta sexta-feira (1º) um campus da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), instalado em Itaquera, e uma escola do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia, em São Miguel Paulista. A abertura das unidades é resultado de uma parceria entre governo federal e Prefeitura, que cedeu terreno e prédios.

“Os meus três compromissos com a educação superior eram colocar a universidade pública nos CEUs, trazer uma universidade federal para a zona leste e instalar dois campi do Instituto Federal, um que abrimos hoje em São Miguel e outro que será aberto em Pirituba. Todos foram totalmente cumpridos”, afirmou o prefeito Fernando Haddad.

A cidade conta hoje com 32 polos da Uniceu, que oferecem cursos de graduação, pós-graduação e especialização, vinculados a instituições públicas de ensino superior por meio da Universidade Aberta do Brasil. A unidade de Pirituba do Instituto Federal está em fase de finalização e deverá ser aberta em cerca de um mês.

Para a Unifesp instalar-se na zona leste, a prefeitura cedeu um terreno de 173 mil metros quadrados, que foi desapropriado com investimentos de R$ 64 milhões. “Como aqui era uma fábrica, fizemos todo o trabalho ambiental, garantindo que a área estivesse apta para um campus universitário. Fizemos também a reforma do prédio, para oferecer o começo de um trabalho. Agora a universidade começou”, disse o prefeito Fernando Haddad, em visita às novas instalações da universidade.

A primeira etapa de funcionamento do campus é a abertura do centro de cultura e extensão, que oferecerá cursos do projeto Núcleo de Formação Sociocultural do Ministério da Cultura. Serão 200 vagas nas áreas de figurino, cenotécnica, dramaturgia, aproximação do universo museal, o teatro e o corpo e mapeamento social. As inscrições serão abertas pela universidade na internet.

“Nós vamos concentrar aqui todas as atividades de educação que a Unifesp já faz na região. É o primeiro passo da implantação efetiva da Universidade Federal de São Paulo na zona leste. Nós estamos concretizando esta ação”, explicou Soraya Smaili, reitora da Unifesp. O espaço inaugurado nesta manhã tem 800 metros quadrados e conta com três salas de aula, um laboratório de informática, sala de exposições e salas de reunião.

O edifício também receberá um polo da Universidade Aberta do Brasil (UAB) e um espaço para preservação e pesquisa relacionada à memória da zona leste. Passa ainda a sediar o Observatório de Política Públicas da Zona Leste, além de quatro grupos de trabalho e pesquisa.

O campus está em instalação no terreno da antiga fábrica Gazzarra. As primeiras salas abertas homenageiam o operário metalúrgico Waldemar Rossi, fundador da Pastoral Operária, a ativsta por moradia Zorilda Maria dos Santos, da Associação dos Moradores da Ponte Rasa, e o operário metalúrgico eletricista Orisson Saraiva de Castro, fundador do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo, em 1959. A criação de uma instituição pública de ensino superior na zona leste é uma reivindicada pela população da região desde a década de 1980.

“São quatro milhões de pessoas que vivem na zona leste, que têm direito de chegar na universidade, São trabalhadoras e trabalhadores têm direito a uma educação infantil de qualidade, ao ensino fundamental e médio”, disse Nádia Campeão, vice-prefeita e secretária municipal de Educação.

A universidade planeja instalar na zona leste o Instituto das Cidades, que reunirá atividades de ensino, pesquisa e extensão relacionadas a questões urbanas. Está prevista a construção de cinco blocos para aulas, parque, clube e moradia estudantil, além de uma creche ou pré-escola da Prefeitura. Serão oferecidos cursos de graduação em Geografia, Arquitetura e Urbanismo, Engenharia, Design, Administração Pública e Turismo. Estas atividades terão início em 2017, com a abertura de cursos de engenharia e arquitetura.

Instituto federal
Além da inauguração do centro de cultura e extensão da Unifesp, a Prefeitura firmou nesta manhã o acordo de cooperação que permite a abertura de uma nova unidade do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP) em São Miguel Paulista. A escola oferecerá cursos de nível técnicos e superior voltados a formação profissional.

O equipamento será aberto em um edifício construído pela Prefeitura que recebeu investimentos de cerca de R$ 8 milhões. O prédio tem quatro pavimentos que abrigam 15 salas de aula e uma quadra coberta. O local será equipado pelo instituto com laboratório de informática, estúdio multimídia e laboratório de produção de recursos educacionais digitais. De acordo com o termo de cooperação, a Prefeitura é responsável pelo custeio dos serviços vigilância patrimonial, limpeza e manutenção do edifício.

Segundo Eduardo Modena, reitor do instituto, a unidade inicia agora uma fase de estruturação, em diálogo com a comunidade e com o setor produtivo. O primeiro passo será a oferta de 325 vagas de cursos de capacitação para educadores, em parceria com a secretaria municipal da Educação. Ainda em 2016, terá início a oferta de educação à distância e de cursos básicos, como informática básica, idiomas e administração. A unidade abrigará ainda o Centro de Memória do IFSP, que promoverá a organização e conservação do acervo da instituição, que oferece educação profissional em São Paulo desde 1909.

Fonte: Prefeitura de SP - Secom

 



Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais