Haddad fala ao DCM na TVT: “Estamos no limite da barbárie”. Por Kiko Nogueira

Compartilhar

Captura de Tela 2016-07-11 às 07.58.31

 

O prefeito de São Paulo Fernando Haddad recebeu a equipe do DCM na TVT no prédio da prefeitura no Viaduto do Chá.

Haddad encara o maior desafio de sua carreira na política, a reeleição, num momento particularmente complicado.

ADVERTISING

A última pesquisa do Ibope, divulgada em 21 de junho, o coloca em quarto lugar com 7%, atrás de Celso Russomanno (26%), Marta Suplicy (10%) e Luiza Erundina (8%). Está um ponto à frente de João Doria, o menino dourado de Alckmin.

Erundina, em especial, é uma pedra em seu sapato. Vai dividir os votos. Em 2012, ela havia acertado que seria sua vice. Os dois fizeram fotos, fumaram o cachimbo da paz, combinaram tudo num fim de semana.

Na segunda feira, Haddad soube, através da imprensa, que ela havia desistido, alegando que estava chocada com a aliança com Paulo Maluf. Ela não retornaria os telefonemas de Fernando Haddad. Recentemente, o chamou de “medíocre”.

Quem ocupa a vaga de vice, hoje, é Gabriel Chalita, ex-PMDB, atualmente no PDT. Para uma parte dos eleitores de Haddad, traumatizada com Temer, Chalita é uma mala pesada demais para carregar.

Haddad discorda e lembra da demonstração de fidelidade do homem, que foi convidado por Temer em setembro do ano passado para ser ministro da Educação e recusou.

“Todos os processos contra ele foram arquivados”, diz Haddad. “Conheço Chalita há 10 anos, ele saiu do PMDB e foi para o PDT quando o convidaram para o ministério. Poucos políticos teriam tomado essa atitude. Chalita foi do conservadorismo para a ala progressista”.

Nas últimas semanas, pelo menos duas polêmicas atingiram de frente seu governo: a morte de sete sem teto pelo frio e a denúncia de que a Guarda Civil Metropolitana tirava cobertores e caixas de papelão deles; e a suspensão da verba da Casa Hope, que cuida de crianças com câncer.

“Em ambos os casos, eu agi assim que soube dos problemas. Não houve recuo”, diz. “Já afastei os maus policiais da GCM. Sobre a Casa Hope, eu fui avisado por um amigo do que estava ocorrendo. Houve uma enorme exploração por parte da imprensa e de vereadores. O governo do estado rompeu com a Casa Hope e não aconteceu nada”.

O Brasil, segundo Haddad, está sofrendo uma ruptura radical. “Os mais pobres ainda não têm clareza disso, eles são as maiores vitimas. Não sei se vai dar tempo de o povo acordar. É muito grave. Quem precisa de saúde, educação, transporte e cultura precisa estar atento. Desde a Constituinte nunca corremos tanto risco como agora. Estamos no limite da barbárie”, diz. “A mídia tradicional comprou o projeto de Temer e vai apostar todas as fichas nele.”

“A partir de minha eleição, os programas populares começaram a me atacar. A Band tem o Datena, a Record tem o Russomanno, as concessões públicas de TV estão servindo a um projeto de poder próprio”, afirma.

“Chegaram a falar que o rapaz que foi morto pela polícia há algumas semanas durante uma fuga estava fugindo da indústria da multa. Estamos chegando a um nível que extrapola as condições de civilidade”.

As participações dele em programas da Jovem Pan, a rádio mais direitista do Brasil, abertamente hostil à sua administração, causaram barulho. Embora tenha se saído bem, os críticos duvidam que isso lhe renda algum voto.

Na Jovem Pan, deu um banho no historiador do PSDB Marco Antonio Villa — o início de uma bela inimizade, que culminou num trote de Haddad.

No Pânico, lidou com a desinformação agressiva de um comediante chamado Carioca, um genérico de Danilo Gentilli. “Eu vou a esses programas para demostrar a fragilidade dos argumentos deles. Vale a pena mostrar para o ouvinte o que eles fazem, a falta de preparo, de estudo… É um circo. A entrevista que dei para o Villa é citada em aulas de jornalismo. Eles têm audiência e eu preciso mostrar que é tudo jogo de cena”.

Eis alguns trechos do programa. Ele vai ao ar no próximo domingo, dia 17, a partir das 20h30 na TVT.

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais