Haddad: Bom prefeito é o que olha para a população da periferia

Compartilhar

 

 

No primeiro dia de campanha eleitoral, prefeito de SP conversou e caminhou com a militância em M’Boi Mirim. Ele também fez balanço da gestão e visitou obras

 
 


O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), aproveitou o horário de almoço, nesta terça-feira (16), para dar início à campanha eleitoral. Candidato à reeleição, escolheu uma praça próxima da Estrada M’ Boi Mirim, na zona sul, para conversar com a militância.

“Fiz mais obras do que propaganda, ao contrário do que, em geral, se faz. Chegou o momento de divulgar o que eu fiz”.

O prefeito reforçou que sua gestão se empenhou em melhorar a vida dos que mais precisam. “Quem é bom prefeito é o que olha para a população da periferia”.

Mesmo com cenário econômico adverso, Haddad investiu mais que seus últimos quatro antecessores e sua prioridade foi melhorar saúde, educação e mobilidade urbana para as regiões mais afastadas do centro expandido.

Haddad fez um balanço das principais políticas desenvolvidas na cidade desde 2013 e reforçou que o foco desta campanha será discutir que tipo de investimento foi feito. “Na minha opinião, governo tem que apresentar o que fez. E infelizmente eu tive pouco dinheiro para dar publicidade ao que fiz”.

Haddad pediu que a população tenha “na ponta da língua” os dados de seu governo, lembrando que novas creches foram construídas para acabar com a fila de espera para educação infantil, que foram feitos 400 quilômetros de faixa e corredores de ônibus e que 33 Hospitais Dia foram entregues.

Foi durante sua gestão que foi entregue o Hospital Municipal Vila Santa Catarina. São Paulo tem também dois novos hospitais em construção na periferia (Parelheiros e Brasilândia). Haddad mencionou que, pela primeira vez, o município teve queda na fila de espera por exames e internações hospitalares.

Para ele, os 45 dias de período eleitoral não são o momento de atacar adversários, mas sim de fazer um balanço do que foi feito e de apontar o caminho da continuidade.

“Não vou ganhar eleição atacando ninguém. Nunca ataquei uma pessoa. Posso criticar propostas. Isto eu fiz e farei, críticas a ideias que me parecer ruins para a cidade de São Paulo”.

Como exemplo, Haddad citou as propostas que defendem o fim do Programa de Braços Abertos. “Vai dar errado. O que você vai fazer com aquelas 500 pessoas? Vai jogar na rua? Vai internar compulsoriamente? E se elas não quiserem ser internadas? Precisa dar liberdade para as pessoas buscarem o tratamento mais adequado para sua condição”.

PT e eleições

O prefeito falou ainda sobre as tentativas da oposição de desqualificar e deslegitimar o Partido dos Trabalhadores. “Acho um equívoco atacar uma agremiação, um partido, uma igreja. Penso que é uma atitude de imaturidade política. Somos um milhão e meio de filiados. Não faz sentido. O certo é discutir o que foi feito. Batemos recorde de investimentos”.

Haddad disse avaliar positivamente o fim do financiamento privado das campanhas eleitorais, pois devem vencer nas urnas as propostas para a cidade, não o dinheiro. Ele explicou que fará campanha nos horários do café da manhã, no almoço e no jantar, quando está fora do horário do expediente, para não atrapalhar o trabalho na Prefeitura.

Gestão do povo

Antes do evento da campanha, o prefeito visitou as obras em andamento na região como canalização do córrego, ciclovia e corredor de ônibus. M’ Boi Mirim é a região cidade que mais recebeu investimentos em mobilidade urbana. ”

Aqui está a principal obra feita nestes quatro anos. Resolveu um problema gravíssimo de transporte na região. As pessoas não conseguiam se deslocar, sair do bairro”, afirmou.

A previsão é que as obras no complexo Ponte Baixa sejam concluídas nos próximos 45 dias, melhorando a fluidez e a segurança no trânsito no Jardim São Luís e no Jardim Ângela.

“Esta é uma das promessas mais difíceis de se cumprir, porque custou mais de meio bilhão de reais. Levando em consideração a drenagem, combate à enchente, corredor de ônibus, novas pistas viárias para carro”, disse.

“Para nós, é um marco poder dizer que a principal promessa, a mais difícil de ser cumprida vai ser cumprida aqui no M Boi Mirim”.

“É uma população que, por mais de 20 anos, demandava esta obra (…) esta obra aqui é resultado do movimento social, da reflexão da militância, da vitória nas eleições”, afirmou o prefeito.

A gestão Haddad possui investimentos centrado em novos hospitais, Unidades Básicas de Saúde (UBS), creches, escolas, incluindo drenagem e mobilidade urbana.

“Isto tem impacto fantástico para a população. As obras de drenagem abrigam pessoas que têm a pior condição de moradia da cidade (…) Costumo dizer que estamos tratando de programas de urbanização da cidade. Estamos requalificando estes bairros que recebem as obras”, afirmou o secretário Municipal de Infraestrutura Urbana e Obras, Roberto Garibe.

 

Fonte: Agência PT de Notícias

 

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais