“Impeachment sem crime é remédio amargo demais”, afirma Haddad

Compartilhar

 

 

“O impeachment é um remédio amargo demais para ser tomado sem comprovação de crime, e é isto que está acontecendo”, afirmou o prefeito de São Paulo

Foto: João Valério/Imprensa Haddad

Foto: João Valério/Imprensa Haddad

Ao participar de uma sabatina nesta quarta-feira (31), o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, enfatizou que aconteceu um golpe contra a presidenta  Dilma Rousseff. Para ele, é inadmissível para uma democracia o afastamento de uma governante eleita legitimamente para um mandato de quatro anos, sem a existência de crime de responsabilidade.

Haddad esteve na rádio “CBN”,  horas antes de o Senado Federal votar o afastamento de Dilma e a primeira pergunta foi sobre este assunto. “O impeachment é um remédio amargo demais para ser tomado sem comprovação de crime, e é isto que está acontecendo”, respondeu.

O prefeito afirmou que acompanhou a argumentação de parlamentares defensores do afastamento e reforçou que não encontrou razão para cassar o mandato.

“Na opinião de muitos juristas, inclusive da imprensa internacional, se trata de um impeachment sem crime comprovado. Isso não é opinião só minha, é dos grandes veículos de comunicação do mundo. Basta ler os editoriais dos principais jornais do mundo, como o New York Times (EUA) e o Le Monde (França). Eu compartilho a opinião deles”, disse.

Haddad em sabatina na "CBN" (Foto: Fernando Cavalcanti/Imprensa Haddad)

Haddad em sabatina na “CBN” (Foto: Fernando Cavalcanti/Imprensa Haddad)

A opinião de Haddad sobre a crise política nacional tem sido uma das perguntas feitas pelos jornalistas da imprensa tradicional que acompanham suas agendas de campanha.  Na “CBN”, ele foi questionado se a palavra “golpe” é forte demais. E ele reafirmou: “É um golpe parlamentar. O Congresso Nacional está usando de um expediente para comprometer a democracia”.

O prefeito falou ainda sobre o que mudou entre o golpe que deu início a uma ditadura civil-militar (1964-1988) em 1964 e este, de 2016. Para ele, é preciso discutir as diferenças entre os dois episódios porque este foi um golpe articulado dentro das instituições.

Haddad criticou a PEC da Desigualdade, proposta defendida pelo governo golpista: “A PEC 241, por exemplo, proposta de emenda à Constituição, do governo Temer, congela os gastos sociais por 20 anos. Num país que depende tanto dos investimentos públicos, é uma questão de responsabilidade social e não uma oposição sistemática”.

Para o prefeito, o caminho para retomar a democracia é fortalecer a democracia por meio da participação popular e de diálogo entre movimentos sociais e governantes.

À noite, Haddad concedeu uma entrevista ao vivo para o “Jornal da Gazeta” e classificou o impeachment de Dilma como “uma anomalia, um impeachment sem crime de responsabilidade”. “Em ato contínuo, reconheceu que não houve crime, mantendo seus direitos políticos”, comentou.

O prefeito comentou que Dilma foi afastada por razões políticas, acusada por parlamentares envolvidos em escândalos de corrupção.

Pelo Facebook, Haddad contou ter telefonado para Dilma após o fim da sessão no Senado:

Fonte: Agência PT de Notícias

Últimos artigos

Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais
Rui Falcão: As alternativas do PT para a Previdência
segunda, 13 março 2017, 19:03
  Em meio às manifestações contra o desmonte da Previdência (e foi notável a reação das mulheres no 8 de março, dia de luta também contra o conservadorismo e a violência), abre-se agora o debate sobre qual a melhor tática... Leia Mais