Com Haddad, São Paulo avança com políticas públicas de igualdade racial

Compartilhar

 

 

Em evento com lideranças da comunidade negra, nesta segunda-feira (5/09), o prefeito e candidato à reeleição Fernando Haddad falou sobre os avanços proporcionados por políticas de cotas em universidades do país e no serviço público de São Paulo; ele também destacou a edição de 90 mil exemplares de livro sobre a história da África, distribuído na rede municipal

 

O prefeito de São Paulo e candidato à reeleição, Fernando Haddad (PT / PCdoB / Pros / PDT / PR), participou na noite de segunda-feira (5/9) de um encontro com lideranças do movimento negro de São Paulo, no bairro da Liberdade, região central de São Paulo. Haddad reforçou a importância das políticas de cotas adotadas em universidades e no serviço público ao longo da última década, como forma de reparação das injustiças históricas que marcaram os povos negros que desembarcaram no País a partir do século XVI. “A questão do negro no Brasil não é um detalhe da nossa reflexão e da nossa ação. Pelo contrário. É uma questão que perpassa a coluna vertebral desse país, que agora acordou para esse debate”, disse Haddad. “Não é por causa do momento atual que vamos deixar essa pauta regredir. O centro da questão racial é estrutural na sociedade brasileira e tem que ser enfrentado todo o santo dia para que possamos avançar”.

 

Haddad recordou sua gestão como ministro da Educação, a partir de 2003, quando foram aprovadas políticas importantes de inclusão social como o ProUni, o Universidade para Todos e a lei de cotas para negros em universidades federais. “Hoje, há uma presença forte do negro nas universidades federais. Dependendo da unidade da federação, o negro é até maioria”, afirmou. Ele lembrou que a inclusão dos negros começou com o ProUni, que facilitou a obtenção de crédito estudantil a jovens e adultos de menor renda, e prosseguiu com a aprovação da lei de cotas no ensino superior público. “Mesmo assim, é importante lembrar que levamos um ano para aprovar o ProUni e quase dez anos para que o Congresso Nacional desse aval à política de cotas. A partir daí, tivemos um incremento enorme da presença do negro e da negra nas universidades federais de todo o país”, completou.

 

Mesmo com toda a experiência obtida no Ministério da Educação, Haddad confessou que teve dificuldade em aplicar a política de cotas para os servidores públicos municipais, que hoje beneficia 1,3 mil servidores e deve contemplar outros 1 mil até o final do ano. “A cota do serviço público é diferente daquela para a universidade, na qual a divisão das vagas é feita proporcionalmente em cada estado”, explicou. “No caso do serviço público, a cota racial é direta, de 20%. Era um passo ainda mais ousado e que felizmente está dando muito certo. Agora temos negros em carreiras onde eles não ocupavam cargos, como os de procuradores, médicos e auditores”.

 

São Paulo tem 37% de sua população composta por negros e pardos, segundo o Censo do IBGE de 2010 – a maior população em número de habitantes negros e pardos no País. Haddad foi o primeiro prefeito da história de São Paulo a criar uma Secretaria de Promoção da Igualdade Social, que realiza uma série de atividades sobre o tema no município. Além disso, ele já entregou dois centros de referência preparados para atender vítimas de racismo, localizados na Vila Maria e em Cidade Tiradentes – até o fim do ano, a cidade ganhará mais unidades em São Mateus e no Centro.

 

Antes de se despedir, Haddad disse ter muito orgulhoso pela edição do livro didático “A História da África”, distribuído a todas as escolas municipais, com tiragem de mais de 90 mil exemplares, e que será distribuído a 30 mil professores. O livro é uma compilação de uma obra lançada em 2007 pela ONU, que reuniu 350 especialistas na história do continente africano e demorou 30 anos para ser concluído. “Esse livro vai mudar a realidade das nossas escolas, afinal, a base do preconceito é a ignorância. Se educarmos as crianças desde a primeira infância, elas não vão chegar à idade adulta ignorantes. Não temos vocação para intolerância”, concluiu.

 

Fotos:

Flickr: https://www.flickr.com/photos/145818034@N02/

 

Fonte: Assessoria de Imprensa Campanha Fernando Haddad

 

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais